Trabalhadora deu sapatos para um homem que perguntou se eles vendiam os usados.

"Minha intenção veio de todo o meu coração, eu não fiz isso para receber os créditos e atenção. Eu fiz isso porque eu lembrei de meu pai e senti que deveria ser feito; Após as publicações, comentários bons e ruins foram feitos, mas eu não me importo. Eu me sinto bem porque o homem não estará mais descalço quando andar para vender seus artesanatos".

CONTI outra

O homem precisava de sapatos, mas seu dinheiro não era suficiente para pagar por pares novos.

No mundo existem muitas pessoas que passam por necessidades… mas todos os dias o mundo se torna cada vez mais indiferente à dor do outro. Felizmente ainda há alguns que se sensibilizam e agem para melhorar – de alguma forma – a vida dos outros.

Um deles é Aurelia Maricela Santiago Hernandez, uma mulher de 32 anos que trabalha como um balconista em uma loja de sapatos na cidade de Oaxaca, no México, e há poucos dias se tornou viral na a Internet por um belo e nobre gesto que teve com um cliente.

Um homem entrou na loja e se aproximou da vendedora para perguntar se lá eram vendidos sapatos usados, porque os dele estavam ruins e precisavam de substituição.


Mas o dinheiro que ele ganhava como vendedor de colheres de pau não era suficiente para comprar novos.

Ao ouvir sua história, Aurélia ficou totalmente comovida e não podia ser indiferente ao homem. Então, sem pensar duas vezes, perguntou o tamanho do seu sapato e com a ajuda de seus colegas, deu-lhe um novo par.


“Quatro dos meus colegas e eu fomos os que cooperaram para ajudar o homem, um dos meus colegas me deu 50 pesos; os outros 25; outros 30 e eu coloquei o resto “, disse a mulher, que não pôde deixar de lembrar de seu pai quando viu o homem tentando lidar com sua situação precária.

“Minha intenção veio de todo o meu coração, eu não fiz isso para receber os créditos e atenção. Eu fiz isso porque eu lembrei de meu pai e senti que deveria ser feito; Após as publicações, comentários bons e ruins foram feitos, mas eu não me importo. Eu me sinto bem porque o homem não estará mais descalço quando andar para vender seus artesanatos”.

Por enquanto, Aurelia continua a trabalhar na sapataria onde já está há 8 anos. Agora, entretanto,  recebe inúmeras expressões de apoio e admiração depois de ter realizado este ato de profunda solidariedade e de maneira espontânea.

Aplausos para esta mulher!

Tradução feita pela CONTI outra, do original de UPSOCL

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.