Para recarga máxima, tire a QUARTA-FEIRA de folga

Pensando em tirar uma “sexta-feira de folga” para ir à praia, fazer uma caminhada, ou simplesmente se espreguiçar no sofá lendo e bebendo café? Faça isso em uma quarta-feira.

Se de segunda a sexta-feira for o seu horário de trabalho normal, você se sentirá mais relaxado e revigorado depois de um intervalo no meio da semana do que depois de um final de semana de três dias. Há ciência para apoiar isso.

A chave é dar-se uma folga, um dia para fazer o seu próprio ritmo e para quebrar a tirania da semana de trabalho sobrecarregada. Nossa experiência humana do tempo é ordenada por “ritmos”, tanto internos (como ser uma “pessoa matinal” ou uma “coruja da noite”) quanto externos, como a semana de trabalho ou um prazo, diz Dawna Ballard, professora de comunicação da Universidade de Texas em Austin e estudiosa de cronometria, o estudo do tempo e da comunicação. “Cada um tem um cronotipo diferente. Algumas pessoas são mais lentas, algumas se movimentam mais rápido”, ela me disse pelo telefone. “Nosso trabalho, no entanto, apenas deixa claro e diz: “É nesse ritmo que você precisa trabalhar, aqui é quando você precisa trabalhar.”

Fatos únicos, como um prazo para um grande projeto, podem temporariamente reestruturar nossas vidas, mas os ritmos cíclicos, como um final de semana de dois dias seguido por uma semana de trabalho de cinco dias, têm influência psicológica excessiva, parcialmente devido à repetição, e parcialmente imitam o natural cíclico de nosso ritmo mais fundamental – o dia e a noite.

“A semana obviamente continua se repetindo e, assim, como continua se repetindo, desenvolve um poder real”, diz Ballard. “Da mesma forma que o sol, o ciclo diurno, continua se repetindo, é incrivelmente poderoso porque também somos organismos cíclicos.”

Uma das marcas da vida moderna é que nossos ritmos internos e externos estão sempre em conflito uns com os outros – uma das razões pelas quais as manhãs de segunda-feira são difíceis. “Você está saindo de um fim de semana, onde você tem o seu próprio ritmo”, diz Ballard, explicando a tristeza da segunda-feira do ponto de vista das ciências sociais. “Há um atrito em ter que ir do seu ritmo para outro ritmo.”

Uma folga de quarta-feira interrompe o ritmo de trabalho imposto externamente e lhe dá a chance de redescobrir seus ritmos internos por um dia. Embora um fim de semana prolongado lhe dê um pouco mais de tempo, com os seus próprios horários, ele não quebra o poder do ritmo da semana. Uma quarta-feira livre constrói espaço em ambos os lados e altera o equilíbrio entre o seu ritmo e o do trabalho – a seu favor.

Há muitas vantagens em tirar uma quarta-feira de folga: praias, parques, museus e cinemas vazios, por exemplo. Mas a diversão não é a única razão para ter um dia para recalibrar a sua vida, para que seus impulsos internos e externos estejam em melhor harmonia. “O desalinhamento crônico entre nosso estilo de vida e o ritmo ditado pelo nosso cronômetro interno está associado ao aumento do risco de várias doenças”, escrevem Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Young, vencedores do Prêmio Nobel 2017 por seu trabalho em relógios corporais.

Essa mesma lógica explica por que ohome office das quartas-feiras” tem sido tão bem-sucedido em algumas empresas. É uma prática que Ballard diz ter o potencial de manter nossos relógios internos e externos em sincronia. “Você começa a semana sabendo: ‘Eu só tenho dois dias nesse ritmo e depois volto para o meu’”, diz Ballard, descrevendo a mudança de perspectiva que vem de uma quarta-feira de folga. “Há uma maior sensação de calma e controle.”

***

Tradução CONTI outra. Do original: FOR MAXIMUM RECHARGE, TAKE A WEDNESDAY OFF

Photo by Jez Timms on Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.