“Este curta é uma ferramenta para trabalhar contra o bullying” diz Juan José Campanella

O curta não usa diálogos para expressar os sentimentos das crianças, consequentemente, independentemente de idioma, etnia ou bandeira, todos são capazes de entender a mensagem de amor e inclusão.

CONTI outra

São aproximadamente dez minutos de suspense e emoções mistas. Dez minutos de um curta que transmite tudo sem dizer nada. Ian, é o curta-metragem de animação que estreou em 14 de maio no Festival de Cinema de Cannes. Desde o início, seu objetivo era tornar visível o combate à discriminação, trabalhar para derrubar preconceitos e garantir que as pessoas com deficiência tivessem pleno acesso a seus direitos.

O curta não usa diálogos para expressar os sentimentos das crianças, consequentemente, independentemente de idioma, etnia ou bandeira, todos são capazes de entender a mensagem de amor e inclusão.

Sheila Graschinsky é a lutadora por trás do projeto, a mãe da criança que inspirou o curta-metragem. Hoje Ian tem quase dez anos e sofre de encefalopatia crônica não evolutiva devido à hipóxia (falta de oxigênio) no parto. Esta doença afeta diretamente a linguagem e a mobilidade daqueles que a sofrem. Impulsionada por essa adversidade que lhe apresentava a vida, Sheila abandonou sua carreira e criou um alicerce que melhora a qualidade de vida das pessoas e famílias que convivem diariamente com a deficiência.

O curta-metragem, que foi declarado de interesse pela Câmara dos Deputados da Nação, começou sua turnê internacional no prestigiado Festival de Cannes e não parou. Ele passou por: Festival de Curtas-Metragens de Los Angeles, Concurso The Accolade, Festival de Cinema de Chelsea, Festival Internacional de Cinema de Shorts de Deli da Índia, International Independent Film Awards e festival internacional de curtas de Chicago Reel.

“Queremos que o curta-metragem seja capaz de iniciar conversas entre pais e filhos, ser uma ferramenta muito poderosa para trabalhar sobre este tema (…). Se conseguirmos ajudar as crianças a compreender essa mensagem, estaremos transformando a sociedade e isso nos enche de orgulho e nos faz sentir que estamos cumprindo uma missão extraordinária “, disse Campanella.

O filme – criado por Gastón Gorali, produzido por Juan José Campanella e dirigido por Abel Goldfarb – é uma proposta de alta qualidade estética e feita com uma combinação de animação 3D e Stop Motion. Possui mock-ups reais feitos com material reciclável e tecnologia digital de ponta.

“O caminho é conquistar as emoções, o que nos permite pensar e avaliar alternativas para colocar nossas mãos em ação, todos nós podemos ajudar a construir um mundo mais inclusivo, buscamos aproximar as crianças para fazer a diferença às emoções “, disse Sheila Graschinsky. Desta forma, a Fundação Ian combate a falta de informação e conhecimento que muitas vezes leva ao bullying de pessoas com deficiência. Seu objetivo é fornecer ferramentas e produzir lições na comunidade.

Traduzido pela CONTI outra. Do original Infobae

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.