Especialista fala sobre os avanços na busca pelo Olho Biônico

Esse dispositivo, que, até poucos anos, só fazia parte de roteiros cinematográficos, está cada vez mais próximo da nossa realidade

CONTI outra

O olho biônico era uma realidade muito distante. A humanidade acreditava, inclusive, que ele só era possível em filmes de ficção científica. No entanto, graças aos avanços da tecnologia e da medicina, podemos dizer que isso é mais real do que se possa imaginar.

O uso de recursos tecnológicos avançados na área da tecnologia e da eletrônica tem despertado a esperança em pessoas com perda de visão profunda. Você sabe o que os especialistas estão dizendo a esse respeito?

Por isso, selecionei as principais informações sobre o olho biônico para que você conheça de que forma ele pode revolucionar o tratamento de uma série de doenças oculares.

O que é olho biônico?

O olho biônico é uma prótese epirretiniana que está sendo desenvolvida com o objetivo de recuperar a visão de pacientes. Os pesquisadores têm estudado a possibilidade de implantar um microchip sobre a retina dos pacientes.

Esse aparelho capta a informação visual por meio de uma câmera alocada em óculos. Ela é convertida em pulsos elétricos que são transmitidos para microeletrodos na retina. Esses microeletrodos substituem a função dos fotorrecptores que foram degenerados.

As células restantes na retina recebem o estímulo e enviam as informações para o córtex cerebral através do nervo óptico normal.

Em que situações ele pode ser indicado?

O olho biônico poderá ser uma ótima alternativa de tratamento para pacientes com perda de visão ocasionada por diferentes motivos. Como exemplo, podemos mencionar o estágio final da retinose pigmentar ou degeneração macular da retina.

O dispositivo também poderá ser usado em pacientes com doenças degenerativas do nervo óptico. Sem dúvida, será uma revolução para a oftalmologia, já que permitirá o restabelecimento da visão para pacientes com cegueira até então irreversível.

Quando esse dispositivo poderá ser usado?

Por enquanto, o olho biônico está em fase de pesquisa e, portanto, não está disponível como método de tratamento. A boa notícia é que estudiosos de diversas regiões do mundo estão empenhados em avançar nas investigações em tempo hábil.

A Universidade de Monash, em Melbourne, na Austrália é uma das precursoras da pesquisa. Ela conta com um grupo de cientistas que construiu o primeiro olho biônico humano do mundo.

O dispositivo é parte integrante de uma ampla e complexa tecnologia, batizada pelos cientistas de “sistema biônico de Gennaris”. Ela constitui um sistema que alia câmeras, eletrodos e unidades de processamento aos implantes cerebrais.

Não sabemos ao certo quando o olho biônico estará disponível, mas isso não nos impede de comemorar os avanços da medicina aplicada à oftalmologia. Vale dizer que, no atual estágio da pesquisa, a qualidade da visão por meio do dispositivo é rudimentar.

Isso significa que os testes realizados indicam que ainda não é possível enxergar com nitidez objetos complexos, pessoas ou letras. Em alguns casos, a capacidade visual alcançada remete a luzes, sombras e formas borradas.

Por enquanto, o olho biônico cria um padrão visual a partir de combinações de até 172 pontos de luz. Eles fornecem informações para que seja possível transitar por ambientes internos e externos e reconhecer a presença de pessoas e objetos.

Os primeiros testes em humanos ainda não foram iniciados, uma vez que eles dependem de financiamento para serem realizados. Mas, como já dissemos, temos muitos motivos para celebrar o que foi descoberto e conquistado até o momento.

Esperamos, em breve, trazer notícias ainda mais esperançosas para pacientes que sofrem de doenças oculares degenerativas.

Texto de Ricardo Filipo, Clínica de Oftalmologia Integrada

Imagem de capa: reprodução

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.