“É mais fácil dormir do que ficar acordado.”, diz menino com autismo que tentou se matar

"Dormir é mais fácil do que ficar acordado", disse o pequeno Rex, explicando que queria "escapar de suas preocupações".

Lindsey McGarry encontrou seu filho Rex, que tem autismo,no peitoral da janela do seu quarto. Ele queria “escapar de suas preocupações”.

“Dormir é mais fácil do que ficar acordado”, disse o pequeno Rex, explicando que queria “escapar de suas preocupações”.

Rex, que tem autismo, luta diariamente para lidar com sentimentos de ansiedade e acha difícil estar em uma sala de aula.

Aos nove anos, o menino não vai a escola, pois, segundo a mãe, o sistema escolar está falhando com seu filho. Ela conta que , desde o primeiro ano de vida, Rex ficava confuso na escola. Ela via que as outras crianças se desenvolviam, mas Rex parecia apenas frustrado com a escola e com a própria incapacidade. Desde então, é comum vê-lo sempre voltar furioso da escola.

Com o tempo, Lindsey também percebeu que seu filhinho não conseguia dormir e começou a perder seu “entusiasmo” e “fé no mundo”.

Em 2013, finalmente, Rex foi diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista e Lindsey esperava qobter ajuda mais qualificada e ver as coisas melhorarem.

Mas há alguns meses, entretanto, ela se deparou com uma cena chocante quando seu encontrou Rex no peitoril da janela, preparando-se para tirar a própria vida.

Felizmente, houve tempo para que ela o pegasse. Eles se abraçaram e, só então, ele explicou que ele não queria morrer, mas queria sentir-se melhor.

Hoje, depois do ocorrido, Líndsey percebe que a situação do seu filho é um estar  “à beira de um precipício”.

Embora assustada, ela e Rex combinaram conversar mais sobre isso.

“…nós fizemos um acordo que, se ele tiver pensamentos assim no futuro, ele precisa vir e me contar.”

Outras frases fortes da mãe foram:

“A maioria de seus colegas de classe o conhecem desde os dois anos, então eles o aceitam, mas você pode vê-lo no parquinho sozinho – isso não é porque eles não querem brincar com ele, mas porque é isso que Rex prefere fazer.”, ela disse.

“Ele explica que não é capaz de se ‘conectar’ com as pessoas e acha difícil se concentrar na escola.”

“Rex raramente frequenta a escola agora, pois precisa de uma turma menor e de atendimento especializado”.

Para ajudar Rex, os funcionários da escola primária católica de St Bernadette, em Farnborough, permitem que ele vá para casa depois do almoço e dão apoio extra à mãe para trabalhar com ele.

“A escola é muito favorável, mas devido a sua condição, Rex realmente se esforça para se enquadrar… ele precisa de educação especializada”, disse ela.

Lindsey disse que notou uma mudança no comportamento de Rex durante as férias de verão, o que ela atribui ao fato de que ele não teve que pensar sobre a escola.

Ela acrescentou: “Ele realmente luta com a ansiedade, que só começou quando ele começou a estudar, e se você fala com ele sobre suas preocupações, elas estão sempre relacionadas à escola.”

***

Editorial CONTI outra. Com informações de MIRROR News.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.