Como ter sorte no amor

“Você sempre ouve as pessoas dizerem: 'Ah, elas têm tanta sorte de terem se encontrado.' Mas não. Realmente, eles encontraram um ao outro e se transformaram em algo que os outros queriam. Essa sorte acontece com muito mais frequência do que imagina”, disse Schwartz.

Ter sorte no amor não é como ser atingido por um raio – é muito menos aleatório (e doloroso). O psicólogo Barry Schwartz e a antropóloga biológica Helen Fisher compartilham suas opiniões sobre o assunto.

“Um relacionamento de sorte é criado, não descoberto”, disse Barry Schwartz quando Barnaby e eu ligamos para ele certa manhã.

Professor de longa data da Swarthmore, Schwartz tornou-se conhecido nacionalmente por sua surpreendente pesquisa sobre escolha (TED Talk: The paradox of choice). Ele mostrou que, embora pensemos que ter muitas escolhas nos deixará mais felizes, elas nos deixam menos satisfeitos. Quando você tem muitas opções, está sempre pensando nas alternativas que rejeitou. Schwartz brincou sobre o quão feliz ele costumava ser anos atrás, quando sua loja local oferecia apenas um tipo de jeans. Então vieram opções como ajuste fino, ajuste fácil, ajuste descontraído…   e assim por diante. Quando ele sai da loja, o jeans se encaixa muito melhor, mas ele se sente muito pior. Adicionar opções aumenta as expectativas, o que, segundo ele, “produz menos satisfação com os resultados, mesmo quando são bons resultados”.

O que é verdade para jeans é igualmente verdade para os cônjuges. “Se você está procurando o melhor, nunca vai dedicar tempo e esforço para fazer o que tem de melhor”, ele nos disse. “É o efeito Tinder. Por que investir o tempo e o comprometimento necessários para fazer um relacionamento crescer, quando outra opção está a um deslizar de dedos de distância?”

Casado há mais de cinquenta anos, Schwartz investe há muito tempo em seu próprio casamento. “Nos conhecemos há muito mais tempo do que isso – ela era minha melhor amiga na oitava série. Então ela não gosta quando eu falo em encontrar um cônjuge que seja ‘bom o suficiente’”, ele disse com uma risada. “Mas realmente, é o que você quer.”

A sorte de seu casamento não foi estabelecida no dia em que se conheceram, ou no dia do casamento – esse foi apenas o começo da história.

Ninguém gosta da ideia de “se acomodar” com um cônjuge, mas Schwartz aponta que geralmente somos péssimos em saber como avaliar parceiros em potencial. Depois de todos esses anos, ele sabe que sua esposa é gentil, compreensiva e inteligente, e tem um consolidada base moral – além de ser uma excelente primeira leitora de tudo o que escreve. Mas ele não se concentrou em nada disso quando se conheceram. “Eu me senti atraído por ela porque foi a primeira garota que conheci que amava beisebol – mais especificamente, o New York Yankees. Gostar do maldito Yankees – que tipo de base é essa para um relacionamento?

Mas a sorte do casamento não foi feita no dia em que se conheceram, nem no dia da cerimônia de casamento. Estes foram, na verdade, o começo da história, não o fim. O relacionamento de verdade se desenvolveu nos anos seguintes, quando eles confiaram um no outro e se voltaram para apoio e amor. “Você sempre ouve as pessoas dizerem: ‘Ah, elas têm tanta sorte de terem se encontrado.’ Mas não. Realmente, eles encontraram um ao outro e se transformaram em algo que os outros queriam. Essa sorte acontece com muito mais frequência do que imagina”, disse Schwartz.

Quando você se concentra apenas nos dias que antecederam o casamento, se esquece de pensar sobre o que acontece depois. É nesse “depois” que o casamento – e a verdadeira sorte do amor – entra em cena. Um financista bem-sucedido, que chamarei de Troy, achava que era o cara mais sortudo do mundo quando começou a namorar uma modelo. Seus amigos estavam apropriadamente de olhos arregalados e ciumentos. A sorte continuou, ou assim parecia, culminando em um casamento muito compartilhado nas mídias sociais.

Mas então a vida aconteceu. É uma boa aposta que um cara que namora uma bela modelo (a chamamos de Helen) é do tipo A, um tipo de testosterona alta que gosta de ser o centro das atenções. Quando eles saíram em público, Troy se viu empurrado para o fundo. Os fotógrafos queriam tirar fotos de Helen no tapete vermelho – e ele poderia por favor se afastar? Havia sempre uma enxurrada quando entravam em um restaurante, mas todos os olhos estavam voltados para ela, não para ele. A sorte terminou com um divórcio muito caro.

Se você é solteiro, encontrar a pessoa certa para se casar pode parecer um campo minado sem fim. Helen Fisher, a antropóloga biológica que se tornou uma das especialistas mundiais em amor (TED Talk: Why we love, why we cheat), encontrou Barnaby e eu em uma manhã, para conversar sobre namoro e ter muita sorte no amor. Mesmo depois de todos os anos de pesquisa, ela ainda está animada pelo amor. “Você está tentando ganhar o maior prêmio da vida – que é um parceiro de vida e uma chance de enviar seu DNA para o futuro”, disse ela. “Mas sair em encontros pode parecer demais e dá trabalho. Você tem que se vestir, ser charmosa e ter cabelos limpos.”

Fisher é pesquisadora do Instituto Kinsey e tem uma indicação acadêmica na Universidade Rutgers – mas ela também recebe muita atenção por ser a principal assessora científica do site Match.com. Todo mundo que fala com ela quer saber como a tecnologia mudou o amor. E enquanto ela diz que 40% dos solteiros namoraram alguém que conheceu online, ela está convencida de que a tecnologia não pode mudar o amor.

Fisher aconselha que você busque cinco a nove pessoas em um site de namoro online, depois pare e conheça um deles.

“O cérebro é poderosamente construído para encontrar o amor e os estudos antropológicos nos dizem que 90% de qualquer interação é não-verbal. Quando você está com alguém, o antigo cérebro humano vai clicar e dizer se está certo”, disse ela.

Fisher compartilha a posição de Schwartz de que muitas escolhas podem minar o amor. Fique online por muito tempo e ficará sobrecarregado. (Há sempre alguém a alguns cliques de distância!) Ela aconselha que busque entre cinco e nove pessoas no Match.com ou em qualquer outro site de namoro online, depois pare e conheça uma delas. “Saia e seja entusiasmada e interessada. Quanto mais você conhece alguém, mais gosta dele”, ela disse.

Se você quiser ter sorte, talvez seja necessário expandir sua visão do que acha que deseja. Por exemplo, Fisher descobriu que as pessoas em sites de namoro geralmente dão detalhes muito específicos das características de que precisam em um parceiro – e então se conectam com pessoas que têm características completamente diferentes. É um pouco como afirmar que você quer assistir a documentários da BBC e depois assistir dez episódios de Friends. Tem certeza de que sabe o que vai fazer você feliz? Os algoritmos em alguns dos aplicativos de namoro agora levam em consideração o que você faz e o que diz.

Quando perguntado sobre pessoas que se queixam de como é difícil encontrar alguém especial, o Dr. Fisher suspirou. “Nós fazemos nossa própria sorte indo a lugares onde a sorte pode acontecer. Se você gosta de ópera, vá a eventos de ópera. Se você gosta de arte, vá a eventos no museu. Se você se importa com dinheiro, vá onde os ricos ficam. Oitenta e sete por cento dos americanos acabarão se casando, mas você não chega lá ficando em casa assistindo Westworld.”

A própria Fisher casou-se uma vez quando era jovem, mas abandonou essa relação rapidamente e nunca mais se casou. Ela passou trinta anos em um relacionamento próximo e amoroso com um homem consideravelmente mais velho do que ela, e depois de sua morte, ela teve vários outros envolvimentos. Agora ela está ligada a um novo homem e descobrindo se é o par perfeito. Ela gosta muito dele, mas eles não compartilham os mesmos interesses. O problema foi a gota d’água, ou apenas uma daquelas coisas que você precisa administrar para um relacionamento feliz?

Como todo mundo, Fisher está tentando descobrir o que a faria se sentir sortuda no amor. Ela afirma que evoluímos com três tipos de amor: desejo sexual, amor romântico e apego a um parceiro. Todos têm uma base biológica. A razão evolucionária para um impulso sexual é óbvia, já que a evolução não pode acontecer sem ela. Dr. Fisher disse que o apego também é um impulso inato “que evoluiu para que você possa tolerar um ao outro por tempo suficiente para criar um filho”.

Mas e o amor romântico, o material do mito e da lenda e as melhores peças de Shakespeare? Fisher diz que também é uma unidade básica. Ela e dois colegas fizeram uma experiência em que colocaram pessoas que estavam intensamente apaixonadas, em scanners de ressonância magnética para estudar sua função cerebral. Eles concluíram que a dopamina neuroquímica está intimamente ligada ao amor romântico. “Há uma pequena fábrica na base do cérebro que produz dopamina, e fica ao lado das regiões que regulam a sede e a fome. Esses são impulsos muito básicos – você não se livra deles”, disse Fisher.

O amor romântico pode ser um impulso ainda mais poderoso que o sex0 ou o apego. Como Fisher ressalta, você não se mata porque alguém não tem relações com você – mas o fim de um grande romance pode levar a raiva, ira e até mesmo suicídio. Chame de Síndrome de Romeu e Julieta – “assim, com um beijo eu morro”.

Nas torturas do amor romântico, você prontamente ignora as falhas de seu parceiro porque o cérebro cria um borrão feliz de ilusão positiva. Quando o romance diminui, você percebe mais, e às vezes é quando você para de se sentir tão sortudo. Fisher acha que manter algumas dessas ilusões positivas – ou pelo menos focar no que você gosta mais da pessoa do que daquilo que você não gosta – é parte do que faz você se sentir sortudo no estágio de apego.

Quando pensamos em sorte, a maioria de nós está focada no tipo aberto. Você ganha na loteria! Você chega ao cruzamento assim que o sinal fica verde! Uma árvore cai em uma tempestade e desvia da sua casa! Esses eventos se anunciam como sendo boa sorte – e é difícil não perceber. Mas a maior parte da sorte chega de forma mais sutil. E uma das chaves para ter sorte no amor pode ser entender que todas as escolhas são compensações.

***

Extraído do novo livro How Luck Happens: Using the Science of Luck to Transform Work, Love and Life, de Janice Kaplan and Barnaby Marsh. Publicado por Dutton, uma marca e divisão da Penguin Random House LLC, Nova York. Copyright © 2018 por Janice Kaplan e Barnaby Marsh.

***

Tradução CONTI outra. Do original: How to be lucky in love

Photo by Jordan Bauer on Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.