terça-feira, 20 agosto , 2019

Quando vier a primavera – Alberto Caeiro – Fernando Pessoa.

Quando vier a primavera Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes que na...

Maria Augusta Ribeiro: a poetisa de outonais poentes

Por Nara Rúbia Ribeiro Maria Augusta Ribeiro, poetisa portuguesa, impressiona-nos por sua singular sabedoria. Esse saber inerente a uma profunda reflexão cotidiana e a um...

Imagens poéticas: escolha a imagem e leia a mensagem

É cientificamente comprovado que o nosso cérebro reage positivamente liberando substâncias ligadas ao prazer e ao bem estar quando é estimulado através de imagens...

Três poemas de Sophia Andresen capazes de nos tirar o chão

Sou o único homem a bordo do meu barco. Os outros são monstros que não falam, Tigres e ursos que amarrei aos remos, E o meu desprezo reina sobre o mar.

DESEJO-TE TEMPO, por Elli Michler

DESEJO-TE TEMPO Elli Michler Não te desejo todos os presentes do mundo. Apenas te desejo aquilo que mais falta faz: Desejo-te tempo para rires e seres feliz, e,...

Amor como em Casa

Regresso devagar ao teu sorriso como quem volta a casa. Faço de conta que não é nada comigo. Distraído percorro o caminho familiar da saudade, pequeninas coisas me...

“Difícil fotografar o silêncio”, Manoel de Barros

Manoel de Barros é um dos principais poetas contemporâneos do Brasil. Fala da simplicidade e das "pequenezas" da vida. Abaixo, confira um poema que demonstra sua...

Saiba o que acontece em seu cérebro quando você lê poesia

Por Jennifer Delgado Suárez, psicóloga Poesia são dardos em forma de palavras que vão direto para a parte mais emocional do nosso cérebro. Há poemas...

Definitivo, por Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade foi um poeta, contista e cronista brasileiro, considerado por muitos o mais influente poeta brasileiro do século XX. Abaixo um lindo...

“Teu riso”, um poema de Pablo Neruda capaz de tirar o...

Tira-me o pão, se quiseres,/ tira-me o ar, mas não/ me tires o teu riso.

“Eu não vou perturbar a paz”, um singelo poema de Manoel...

De tarde um homem tem esperanças. Está sozinho, possui um banco. De tarde um homem sorri. Se eu me sentasse a seu lado Saberia de seus mistérios Ouviria até...

Cansaço- por Nara Rúbia Ribeiro

CANSAÇO Deveria haver na vida Um tempo De férias do existir. Assim, Quando o caos das horas Nos visitasse o relógio da alma Uma calma inexistência Nos levaria a paragens Onde todo sonho...

“Os estatutos do homem” e outros dois poemas profundamente humanistas...

O muro invisível É inútil minha palavras ultrapassarem fronteiras se eu ainda permaneço. Muro invisível existe entre o dizer e o fazer e, talvez, à sua sombra apenas envelheçamos. Jamais saberá a...

Os dez mais extraordinários poemas de Manoel Bandeira

Editorial CONTi outra Manuel Bandeira nasceu em 1886 e figura entre os grandes nomes da poesia brasileira. Lecionou Literatura, foi crítico literário e crítico de...