quarta-feira, 18 setembro , 2019

O CEGO ESTRELINHO, um conto de Mia Couto

O cego Estrelinho era pessoa de nenhuma vez: sua história poderia ser contada e descontada não fosse seu guia, Gigito Efraim. A mão de...

“Lhe desejo o suficiente”

Por Nando Pereira A história a seguir é contada pelo escritor e coach americano Bob Perks e ficou tão famosa que já é uma seção do...

Viver como as flores (conto oriental)

-"Mestre, como faço para não me aborrecer?Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes.Algumas são indiferentes.Sinto ódio das que são mentirosas. Sofro com as que caluniam". -...

Uma amizade sincera, um conto de Clarice Lispector

Não é que fôssemos amigos de longa data. Conhecemo-nos apenas no último ano da escola. Desde esse momento estávamos juntos a qualquer hora. Há...

A boneca de sal: um conto sobre o conhecimento

Por Alex Castro "Para quem está muito preocupada com sua própria individualidade, em não seguir os outros, em não ser só mais uma, em decifrar...

A história de quando a noite reinava na Terra, por Mia...

"Antigamente, não havia senão noite e Deus pastoreava as estrelas no céu. Quando lhes dava mais alimento elas engordavam e a sua pança abarrotava...

TENTAÇÃO, por Clarice Lispector

Por Clarice Lispector Ela estava com soluço. E como se não bastasse a claridade das duas horas, ela era ruiva. Na rua vazia as pedras vibravam...

“A moça tecelã”, um conto de Marina Colasanti

Acordada ainda no escuro, como se houvesse o sol chegado atrás das beiradas da noite. E logo sentava-se no tear. Linha clara, para começar o...

A Rosa Caramela, um conto de Mia Couto

Acendemos paixões no rastilho do próprio coração. O que amamos é sempre chuva, entre o voo da nuvem e a prisão do charco. Afinal,...

20 de março – Dia do Contador de Histórias

Nada mais "tudo a ver" com a CONTI outra do que contar histórias.  Antes que o mundo fosse presenteado com a TV e com...

O verdadeiro patrimônio: um texto sobre o que realmente importa

Um jovem advogado foi indicado para inventariar os pertences de um senhor recém falecido. . .

A infinita fiandeira, por Mia Couto

A aranha, aquela aranha, era tão única: não parava de fazer teias! Fazia-as de todos os tamanhos e formas. Havia, contudo, um senão: ela...

O homem que não acreditava no amor

Era uma vez um homem que não acreditava no amor. Ele era uma pessoa comum, como você e eu, mas seu modo de pensar...

“Nas quinas do quintal do mundo”, um conto de Nara Rúbia...

Afirmo, dona Angita: o quintal do mundo tem quina. Ora, se até o Tempo tem dobradura! Acredita, não, senhora? Pois tem. Quando caminhei de solavanco...