terça-feira, 26 março , 2019

Antônio Abujamra declama Mário Quintana

Antônio Abujamra declama Mário Quintana

A mão de Glória, por Lúcia Costa

Por Lúcia Costa A cidade barulhenta expulsou aquelas duas famílias amigas. O vozerio exagerado dos homens e as buzinas de automóveis atormentavam - lhes.  Resolveram...

VI, PREFERINDO NÃO VER…

Por Gustl Rosenkranz Vi olhares perdidos e olhos profundos, marcados pelo sofrimento, pelo cansaço e por noites mal dormidas, semblantes escuros curtidos pelo sol, rostos envelhecidos...

As contas que são da nossa conta

Por Marcio Santiago Vaitsman Vez ou outra há uma tendência, quando vai se falar de política, de a pessoa dizer: "Ah, eu não quero falar...

A MORAL DO ENSINO, uma lição de Mahatma Gandhi

Uma mãe levou seu filho ao Mahatma Gandhi e implorou: “Por favor, Mahatma, diga a meu filho para deixar de comer açúcar.”

A primeira amizade precisa ser consigo mesmo – OSHO

A primeira amizade precisa ser consigo mesmo, mas muito raramente se encontra uma pessoa que seja amistosa consigo mesma. …..Ensinaram-nos a condenar a nós mesmos. O...

Sentir-se amado, por Martha Medeiros

Uma das coisas que mais gosto nos textos de Martha Medeiros é o despojamento e a espontaneidade. O que precisa ser dito, é dito....

REFLEXÕES SOBRE O HOMEM MODERNO

Buscando enganar a sua realidade mediante a própria fantasia, o homem moderno procura a projeção da imagem sem o apoio da consciência. Evita a...

A fábula do que era suficiente

A FÁBULA DO QUE ERA SUFICIENTE O dom da história - Clarissa Pinkola Estés, Editora Rocco NESTA NOITE NÃO TEMOS NADA - começou o velho. -...

“O primeiro beijo”, um conto de Clarice Lispector

Os dois mais murmuravam que conversavam: havia pouco iniciara-se o namoro e ambos andavam tontos, era o amor. Amor com o que vem junto:...

Por sapatos (e amores) que não machuquem

Amores são como sapatos: os melhores são os que machucam. Quanto mais nas alturas eles nos elevam, mais duro é voltar a ter os...

“O caqui”, uma belíssima crônica de Rubem Alves

O CAQUI Gosto muito da Itália. Lá fiz muitos amigos. O que sinto é não saber falar italiano, uma língua tão bonita. Lá, quando vou...

Cuide de quem cuidou de você! Emocione-se…

Peço-te que me acompanhes para terminar tudo. Trata-me com amor e paciência, eu te devolverei sorrisos e gratidão com imenso amor que sempre tive por ti.

Quantos anos tenho?

Tenho a idade em que as coisas são vistas com mais calma, mas com o interesse de seguir crescendo.