Brasileiro de 9 anos cria coletor de lixo espacial e é premiado na Europa

O primeiro lugar e os diversos elogios que recebeu pela banca de cientistas europeus por seu desenho serviram como perfeito incentivo para que João siga na busca do sonho de se tornar “engenheiro espacial, engenheiro civil, cientista, inventor e astronauta”, segundo o próprio.

REDAÇÃO CONTI outra

Se você reunir um grupo de dez crianças e perguntar a cada uma delas sobre qual profissão pretendem exercer no futuro, é bem provável que ao menos uma delas responda que quer ser astronauta e trabalhar para a NASA. Sabemos que as crianças costumam sonhar alto, e que para elas, a possibilidade de desbravar os confins do universo é uma aventura irresistível demais para ser ignorada. É claro que o caminho até este objetivo não é tão simples quanto uma brincadeira de criança, entretanto, é preciso dizer que nada é impossível. E quem já caminha a passos largos para realizar tudo aquilo que seus sonhos infantis planejaram é o menino brasileiro João Paulo Guerra Barrera.

Atenção, porque esse é um daqueles exemplos para emoldurar e pendurar na parede. Com apenas 9 anos, João é palestrante entusiasta da ciência, escritor e inventor premiado pela NASA por seus esforços na Astronomia. E ainda tem mais! Ele acaba de vencer uma feira de ciência da ESA (agência espacial europeia), com um projeto sobre limpeza do espaço.

Para a feira, João desenhou um coletor de lixo capaz de reciclar os dejetos espaciais que orbitam a Terra. “Estou muito feliz em ganhar mais um prêmio. Eu fiz o desenho porque descobri que tinha muito lixo em volta da Terra. Então criei essa máquina. Comemorei muito. Quer dizer, não comemorei muito por fora. Só falei assim “yes, consegui!’. Mas aqui por dentro está uma festa total”, ele disse.

A ideia do desenho surgiu quando João escreveu o segundo dos três livros que já publicou – uma aventura de três crianças em uma viagem até a lua feita em um foguete construído a partir de material reciclado. O livro foi escrito em português e inglês, já que João foi alfabetizado em inglês. E esse não é o primeiro prêmio de sua “carreira”: aos 7 anos, o pequeno cientista foi considerado a pessoa mais jovem do mundo premiada pela NASA.

O primeiro lugar e os diversos elogios que recebeu pela banca de cientistas europeus por seu desenho serviram como perfeito incentivo para que João siga na busca do sonho de se tornar “engenheiro espacial, engenheiro civil, cientista, inventor e astronauta”, segundo o próprio.

Algo me diz que ainda vamos ouvir falar muito sobre João e as suas próximas conquistas. Estamos na torcida por você, João!!

***
Redação CONTI outra. Com informações de Hypeness

© fotos: Arquivo pessoal

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.