5 pensamentos que complicam a vida sem necessidade

Eles têm dificuldade em sair do buraco quando caem porque têm o que poderíamos chamar de "excesso de peso mental". Essas pessoas dão voltas demais aos problemas, analisam ao milímetro as possíveis soluções e adiam indefinidamente a decisão até que estejam contra a espada e a parede.

Existem pessoas que sabem fluir, que enfrentam problemas assim que aparecem e encontram soluções rapidamente. Não é que a vida lhes sorria ou que tenham mais sorte do que o resto dos mortais, eles são apenas proativos e não deixam para amanhã o que podem fazer hoje.

Pelo contrário, outros complicam as suas vidas desnecessariamente, ficam paralisados ​​analisando o problema ou procurando soluções. Eles têm dificuldade em sair do buraco quando caem porque têm o que poderíamos chamar de “excesso de peso mental”. Essas pessoas dão voltas demais aos problemas, analisam ao milímetro as possíveis soluções e adiam indefinidamente a decisão até que estejam contra a espada e a parede. Isso gera uma sobrecarga emocional e cognitiva que pode se tornar cansativo.

Tipos de pensamento que complicam nossas vidas

1. Planejar tarefas que você realmente não precisa fazer

Muitas vezes estamos sobrecarregados com compromissos ou tarefas que não são realmente necessárias. O problema é que quando começamos nosso diálogo interno com a palavra “eu preciso”, o alarme é ativado para dar prioridade a essa presumida necessidade. Isso pode nos fazer priorizar coisas que não são necessárias e adiar aquelas que realmente são essenciais. Desta forma, nos mantemos ocupados em tarefas mais ou menos insignificantes, enquanto as coisas importantes ficam em segundo plano e se acumulam. Como resultado, não é estranho que acabemos exaustos e estressados, com a sensação de que não aproveitamos o dia.

Solução?
Se você não quer complicar sua vida por diversão, certifique-se de ter apenas aquelas que são verdadeiras prioridades em sua lista de tarefas. Analise todo o seu “eu preciso”. Talvez você possa alterá-los por palavras como “eu quero”, “eu gostaria” ou “eu prefiro”. Esta mudança semântica irá ajudá-lo a trazer outras coisas que são realmente importantes e que valem a pena gastar seu tempo e energia.

2. Procurar a solução perfeita

Procurar a solução perfeita é um dos erros mais comuns que nos mantém presos no círculo vicioso que criou o problema ao nosso redor. Em nossa mente, exploramos diferentes alternativas, mas não decidimos sobre nenhuma delas porque vemos falhas ou riscos possíveis. O medo de cometer erros alimenta um fluxo constante de idéias que acaba nos confundindo e nos paralisando. Então, em vez de procurar soluções para o problema, encontramos problemas para as soluções. Para cada ideia, encontramos uma falha. Essa situação nos sobrecarrega cognitivamente e acaba nos deixando exaustos.

Solução?
Você deve assumir que existem dezenas de soluções, muitas das quais são perfeitamente válidas. Refletir antes de tomar uma decisão é inteligente, ficar por perto nas decisões não é. É apenas uma maneira de complicar sua vida. Portanto, internalize que não há soluções perfeitas, garantidas e 100% livres de risco.

3. Encontrar uma boa solução, mas não a implementar

Por mais improvável que possa parecer, às vezes podemos ficar presos na “fase teórica”, sem entrar em ação. Muitas vezes acontece com pessoas que sofrem de depressão ou procrastinadores. Essas pessoas podem saber qual é o caminho a seguir, elas encontraram a solução para o problema, mas não o implementam. Como resultado, eles são pegos no problema, que os desgasta cada vez mais. Esse comportamento pode ser devido a múltiplas causas, mas geralmente é explicado pelo medo de sair da zona de conforto , uma área em que podemos não nos sentir bem, mas relatamos a segurança do conhecido.

Solução?
Suponha que o primeiro passo não o levará aonde você quer ir, mas pelo menos ele o levará para fora de onde você está. Se você tem medo de tomar uma decisão, basta dar pequenos passos. Você sempre tem a opção de voltar e tomar outro caminho. Lembre-se de que, às vezes, a estrada não é reta, mas cheia de curvas e contratempos. Mesmo assim, é melhor se mover do que ficar paralisado sofrendo uma situação que está prejudicando você.

4. Se tornar obcecado com as consequências das decisões e com o que os outros vão pensar

O pensamento é uma ferramenta muito poderosa que permite projetar-nos para o futuro para evitar possíveis danos. No entanto, é também uma faca de dois gumes que gera preocupações incessantes que tiram a nossa paz de espírito. Um dos principais erros que nos mantêm presos e complicam nossas vidas é pensar continuamente nas implicações de nossas decisões, quase sempre prevendo as consequências mais negativas que podemos imaginar. De fato, muitos temem como os outros reagirão ou o que pensarão deles. O medo do julgamento social os mantém presos.

Solução?
Tomar decisões é a arte de escolher caminhos e lidar com a incerteza. Isso significa que, como só podemos percorrer uma estrada, devemos esquecer o resto. Todas as decisões que você toma sempre terão consequências. Você sempre terá que desistir de algo e nunca poderá ter certeza absoluta das implicações dos passos dados. Ainda assim, se você quiser continuar crescendo, você deve se mover. E isso significa tomar decisões. Suponha que você não pode controlar as reações dos outros e que é provável que sua decisão não agrade a todos. Ainda assim, é sua decisão. É a sua vida e você decide.

5. Inventar obstáculos

Pode parecer uma contradição, mas muitas vezes inventamos obstáculos em nosso caminho para evitar tomar uma decisão que nos assusta. Na verdade, é a estratégia mais comum para complicar a vida desnecessariamente. Por exemplo, dizemos que não podemos tomar a decisão sem antes consultar uma pessoa que não está disponível ou com quem temos um relacionamento ruim. Ou dizemos que não podemos decidir até que tenhamos mais informações, sabendo que isso nunca será suficiente, porque é impossível minimizar a incerteza. Nesses casos, em vez de dedicar nosso tempo e energia para encontrar soluções, nos dedicamos a colocar obstáculos. Como resultado, nos sentiremos presos em um labirinto sem saída que construímos.

Solução?
Não é necessário que você crie mais obstáculos do que a vida coloca em você. Se você se sentir preso mesmo que já tenha encontrado uma solução, pergunte a si mesmo do que tem medo. Há a resposta para os obstáculos que você está criando para não dar o próximo passo. Você pode aproveitar essa situação para crescer diante de seus medos.

 

Tradução feita pela CONTI outra, do original de Rincon Psicologia.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.