5 milhões de mulheres na Índia fazem uma passeata de 620 km exigindo igualdade de gênero.

O muro que elas montaram é talvez a maior declaração de igualdade nos últimos tempos em uma sociedade cuja "cultura" constantemente exclui e desacredita as mulheres.

CONTI outra

VAMOS, VAMOS MULHERES! O abuso e a desigualdade nesses países precisam terminar.

Estamos acostumados a ouvir muitas promessas no final do ano que geralmente permanecem apenas como promessas. Mas quando você sofre de abuso e desigualdade há anos, o que você deseja é planejado seriamente. Em 1º de janeiro de 2019, 5 milhões de mulheres em Kerala (sul da Índia) se alinharam ombro a ombro para formar uma parede de mulheres.

Pura união e força, afinal as mulheres criaram uma cadeia humana de 620 km de comprimento. O muro que elas montaram é talvez a maior declaração de igualdade nos últimos tempos em uma sociedade cuja “cultura” constantemente exclui e desacredita as mulheres.

A principal intenção do protesto é acabar com as manifestações violentas que foram geradas em torno da entrada de mulheres de todas as idades no templo Sabarimala de Kerala, uma casa de peregrinação hindu. O supremo tribunal decidiu este direito feminino de entrar no templo em setembro, porém, por ‘tradição religiosa’, somente homens e mulheres mais velhas supostamente poderiam entrar.

As mulheres que ainda não foram autorizadas a adorar no templo, também queriam gerar um impacto que vai muito além do problema que estão vivendo; elas protestam porque a Índia é considerada o país mais perigoso para ser mulher, elas são estupradas, sofrem tráfico sexual e muitas delas são tratadas como servos.

Em 2012, a Índia ficou em quarto lugar entre os países mais perigosos para as mulheres, em 2018, ela se tornou o número 1.

Embora muitas organizações em todo o mundo estejam cientes da situação, poucas fazem alguma coisa, a melhor ‘solução’ foi fornecer-lhes ‘armas de madeira’ (isto, em 2017) para as mulheres se defenderem de bêbados abusivos, prometendo que a polícia não iria intervir nestes casos, realmente?

Em 2012, o abuso em grupo de uma menina de apenas 5 anos também ganhou a atenção internacional, mas pouco foi feito para ajudar a encontrar uma solução que realmente as ajudasse. Mulheres de força, não se deteriorem, que mais cedo ou mais tarde, vocês conseguirão ser tratadas com o respeito que merecem.

Traduzido pela CONTI outra, do original de UPSOCL

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.