Aconteceu na Coreia do Sul uma história mórbida envolvendo um canal do YouTube, um criador de conteúdo e um porquinho adorável. Embora tudo indicasse que o fim seria terrível, a verdade é que houve uma reviravolta na história que, honestamente, não sabemos se acabou por convencer o público.

Acontece que este criador de conteúdo criou um canal chamado Porco Comido após 100 Dias – ou “Porco comido após 100 dias” e começou a compartilhar vídeos do porco mencionado acima, chamado Kalbi.

O animal apareceu em tutus e enrolado em mantas como se fosse um bebê, o que evidentemente fez com que a popularidade do canal subisse rapidamente: poucas semanas depois de ser lançado, já tinha mais de cem mil assinantes.

No entanto, havia detalhes importantes nos vídeos publicados: de vez em quando o mesmo dono da Kalbi aparecia mostrando pedaços de carne de porco crua diante das câmeras. E se levarmos em conta o nome desconcertante do canal além do fato de que “Kalbi” significa “costelas assadas” em coreano, muita gente ligou os pontos.

E claro, os milhares de espectadores imploraram ao dono do canal para não fazer nada com o porquinho Kalbi, sabendo que provavelmente ele iria acabar cozinhando-o no forno. Eles o acusaram de crueldade contra animais e psicopatia: “Como você se sentiria se amasse alguém que está apenas esperando para tirar sua vida?”, Perguntou um internauta.

Os cem dias de vida de Kalbi supostamente terminaram no dia 1º de setembro e o dono do canal publicou naquele dia um vídeo onde tirava o cadáver de um porquinho de uma caixa de papelão, temperava a carne e colocava no forno. Para muitas pessoas, Kalbi já havia sido vítima da experiência de seu dono, que recebeu ameaças graves por sua iniciativa “anormal” e “nojenta”.

Mas, em entrevista ao VICE World New , o criador do conteúdo – que preferia esconder sua verdadeira identidade – comentou que a intenção dos vídeos era fazer as pessoas questionarem o que estavam comendo. Ele disse que seu objetivo era mostrar que a carne nos supermercados vinha de animais tão bonitos e macios como Kalbi e, no caso de escolher comer carne, as pessoas deveriam valorizar o sacrifício do animal

Uma vez que a polêmica foi esclarecida, o que aconteceu com Kalbi? Surpresa: ele está vivo! O dono do canal publicou há poucos dias um vídeo onde o porco aparece com vida e bem; “comprei outro leitão para cozinhar no vídeo.”, ele explicou.

Entretanto, muitas dúvidas surgem com esse método de convencimento: para muitras pessoas, o youtuber utilizou os porcos para ganhar cliques e lucrar com o bem-estar emocional do público. Além disso, alguns grupos de animais questionaram o fato de quererem conscientizar sobre a alimentação enquanto criam e abatem leitões.

“Os porcos são animais inteligentes, curiosos e brincalhões. Abatê-los é tão antiético quanto tirar a vida do cachorro da família. Pedimos a todos que não assistam a este canal no YouTube e sejam compassivos com os porcos e outros animais, deixando-os fora de seus pratos.”, disse Nirali Shah, porta-voz da PETA, para a VICE World News.

Enquanto isso, o youtuber espera que pelo menos algumas pessoas tenham entendido sua mensagem e cozinhem com o respeito devido aos animais. Mas, sem dúvida, é uma forma questionável de provar algo, para dizer o mínimo…

***
Redação Conti Outra, com inforamções de UPSOCL.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.