Wanderlust: navegar (pela dor) é preciso

Descrita como: “uma série intransigente, penetrante e divertida sobre relacionamentos”, o drama “Wanderlust: navegar é preciso”, produzido pela BBC e disponível no Netflix, traz como protagonista a atriz Toni Collette no papel da psicóloga Joy.

Tatiana Nicz

Wanderlust (do alemão wandern: ‘caminhar’, ‘vagar’ + Lust : ‘desejo’; em português, “desejo de viajar”) é um termo que descreve um forte desejo de viajar, de explorar o mundo, de ir a qualquer lugar, em uma caminhada que possa levar ao desconhecido, a algo novo. [1][2]

“Not all those who wander are lost.”
“Nem todos os que vagam estão perdidos.”
J.R.R. Tolkien

Descrita como: “uma série intransigente, penetrante e divertida sobre relacionamentos”, o drama “Wanderlust: navegar é preciso”, produzido pela BBC e disponível no Netflix, traz como protagonista a atriz Toni Collette no papel da psicóloga Joy. O roteiro assinado pelo dramaturgo Nick Payne, tem elenco talentoso, e fotografia, trilha sonora e figurino de qualidade. A série acerta em muitos aspectos, navegando entre leveza e densidade, abordando de maneira profunda e ao mesmo tempo alegre temas tão urgentes. Acerta também em trazer para a ficção um setting terapêutico fiel à realidade e tão necessário. É um grande presente para entusiastas da psicologia.

Fritz Perls, considerado o pai da Gestalt-terapia, escreveu: “a fobia da dor é a inimiga do desenvolvimento – a relutância em sofrer um mínimo que seja. Nós utilizamos isso na Gestalt-terapia ao compreendermos que o continuum de tomada de consciência se interrompe – que você se torna fóbico logo que começa a se sentir desconfortável, logo que isso ocorre, você desvia sua atenção.”

Segundo a GT, podemos encontrar um berço fértil de criatividade e transformação através do fechamentos de gestalts, ou seja, ciclos de sofrimento emocional que, de alguma maneira, ficaram interrompidos. Geralmente são sofrimentos de traumas vividos em uma época onde possuíamos pouco recurso emocional para dar conta de tal experiência, como na infância ou na adolescência. Esses eventos que ficam inacabados são gestalts incompletas, verdades não ditas, dores não elaboradas, feridas que ficam abertas. Como Perls denunciou na citação acima, são feridas tão profundas que evitamos tocá-las.

Portanto, o gestalt-terapeuta precisa ter coragem de frustrar o cliente, frustar toda tentativa de fuga ou fobia, frustrar as histórias elaboradas que nosso intelecto insiste em contar, as explicações, as justificativas e desculpas que criamos. O terapeuta precisa ter firmeza para nos manter no percurso e chegar no âmago da dor. O conceito de awareness é importante para GT, é o momento em que nos damos conta da verdade, o momento do cair a ficha, é quando a dor é tocada e então é possível dar um fechamento para tal evento traumático, para essa gestalt. Esse fechamento pode vir com muita comoção, emoção, lamento, choro, e então, alívio. Suspiro. Silêncio. Paz.

Sim, para encontrar a verdade é preciso navegar pela dor.

O quinto e penúltimo episódio da série se passa inteiramente dentro do consultório, é uma conversa densa, lenta, intensa entre Joy e sua terapeuta. São quase 60 minutos onde é possível assistir como essa busca pela verdade pode acontecer dentro do setting terapêutico. A cena é fiel, com destaque para excelente atuação de Collette.

Podemos sentir com Joy e acompanhar as intervenções da terapeuta Angela. E assim ver nitidamente as tentativas de se contar histórias, de esquiva, de desculpas que Joy cria, tentando evitar o máximo possível entrar em contato com a verdade (e com a dor). Em alguns momentos podemos fazer a leitura da linguagem corporal das duas, Joy se defende, arqueando o corpo, enquanto a terapeuta fala, inclinando-se para frente. A protagonista traz negação, omissão de fatos, justificativas, porque a verdade é difícil de ser verbalizada. Muitas vezes é vergonhosa, humilhante, dilacerante. Não, não é à toa que a evitamos.

Joy traz muitos temas misturados, temas que parecem aleatórios, porém aos poucos vamos aprendendo como estão conectados e têm a mesma raiz, é como se um grande quebra-cabeça fosse sendo montado. É assim mesmo que muitas vezes chegamos no consultório, muitas histórias e conteúdos que parecem ter pouca ou nenhuma ligação, se o profissional for competente, aos poucos a figura do todo pode ir se revelando. Vemos como Angela vai aos poucos separando o “joio do trigo”, aprofundando onde existe energia, conduzindo a cliente novamente para o caminho da verdade, toda vez que ela tenta fugir do tema ou se defender. Essa é a importância do vínculo, da confiança que se cria em um ambiente terapêutico. Apesar de se sentir atacada, e ela chega a verbalizar essa sensação, Joy mantém a escuta em sua terapeuta porque esse vínculo foi criado e validado.

A cena traz ainda a maneira como o passado se conecta ao presente, assim como Perls propôs, para GT o passado importa, mas o que importa mesmo é descobrirmos como ele se manifesta em nosso presente, a GT é conhecida também como terapia do aqui agora. Pois, o presente é o único tempo em que é possível fazer alguma coisa, não podemos mudar o passado, assim quando buscamos trazer o passado para o setting terapêutico ficamos paralisados, com poucos recursos para promover alguma mudança significativa em nossas vidas. Resta compreender e lamentar o que foi, chorar partes tão difíceis de nossa história, e entender como isso ainda nos paralisa e priva de construirmos histórias melhores.

No episódio é possível navegar pelas duras verdades de Joy e notar quando ela toca uma dor muito profunda, aquela que ela tanto evitava, como já falado, é o que Perls chamou de awareness. Geralmente são momentos de muita comoção, onde as lágrimas são inevitáveis, muitas vezes acompanhadas por um choro inconsolável. É assim que sabemos que fizemos contato com algo muito profundo e difícil. Saímos da razão, entramos na emoção. Saímos do superficial, entramos no que é essencial.

Para encontrar nossas verdades, para sermos mais verdadeiros, é preciso – e inevitável – navegar pela dor.

Navegue.

Confira o trailer:

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Tatiana Nicz
Libriana com ascendente em Touro. Católica com ascendente em Buda. Amo a natureza e as viagens. Eterna curiosa. Educadora e contadora de histórias. Divagadora de todas as horas. Escrevo nas horas vagas para aliviar cargas, compartilhar experiências e dormir bem. "Quem elegeu a busca não pode recusar a travessia." Guimarães Rosa