Veronica, a pedreira que quebra estereótipos e impulsiona outras mulheres no ramo

Depois de enfrentar muito preconceito para conseguir prosperar em um campo de trabalho predominantemente ocupado por homens, ela hoje se empenha em oferecer apoio a outra mulheres que trabalham na área.

CONTI outra

Verónica Ibarra é uma mulher de 32 anos que mora em Mendoza, na Argentina. Há cinco anos ela começou a trabalhar como pedreira na construção civil, quebrando estereótipos em uma área predominantemente masculina.

A jovem teve que passar por vários desafios até conseguir ser contratada, visto que muitas pessoas desconfiavam de sua aptidão para desempenhar um trabalhos que historicamente têm sido desempenhado mais por homens do que por mulheres.

Em entrevista à mídia argentina, Verónica comentou que decidiu se aventurar nessa atividade pela necessidade de um emprego estável e de maior autonomia, pois antes era mal remunerada e passava de um emprego a outro:

“Sentei-me um dia e repensei tudo. Eu disse a mim mesma ‘Estou totalmente qualificada para isso’”. E acrescentou que: “Desde menina adquiri conhecimentos, trabalhei como auxiliar e depois fui treinado em diferentes técnicas”.

“No início foi bastante difícil, precisamente nesta província e neste país com pessoas de mente fechada. Os homens nem ligavam para pedir orçamento e as mulheres, que dependiam da decisão dos companheiros, nem se animavam”.

No entanto, Verónica comentou que aos poucos começou a ter trabalhos de apoio a grupos de mulheres: “No início trabalhava muito com mães solteiras e senhoras mais velhas”. E graças ao seu excelente serviço, foi encaminhada para outras pessoas e começou a ter novos clientes para realizar diversos tipos de obras.

Foi assim que a jovem argentina criou seu empreendimento: ‘Vero, servicios generais’ e com o tempo ganhou reconhecimento por sua instalação em cerâmica e construção a seco. Na entrevista ao Los Andes, ela comentou: “Gosto que meu trabalho se destaque pelo profissionalismo e pela limpeza. Tenho muito cuidado com os detalhes, que é o que mais exige a cerâmica, por exemplo”.

Mais tarde, Verónica começou a trabalhar em outras obras: “A primeira grande obra que fiz foi a remodelação de um apartamento no centro. Sempre me chamavam para resolver problemas no banheiro, torneira quebrada, coisinhas que iam somando”. Mas graças ao seu ótimo trabalho no departamento, ele mencionou que “Agora aquele cliente me ligou novamente para fazer a reforma de outro departamento”.

Além disso, Verónica comentou que para projetos maiores costuma contratar outras mulheres: “Uma das meninas com quem trabalho é operadora de gás registrada e a outra é eletricista registrada”. Desta forma, a jovem é recíproca apoiando outras mulheres que, como ela, quebram estereótipos ao demonstrar o seu talento, conhecimento e empenho para fazer um trabalho de excelência.

***
Redação Conti Outra, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.