Uma interpretação da música “Quase sem querer”

Uma das bandas que mais gosto de ouvir é o Legião Urbana e outro dia me veio um insight de uma das possíveis interpretações da linda música “Quase sem querer” e venho aqui compartilhar com você! Abaixo está a letra completa com o vídeo da música.

Quase sem querer – Renato Russo

Tenho andado distraído
Impaciente e indeciso
E ainda estou confuso
Só que agora é diferente
Estou tão tranquilo
E tão contente

Quantas chances
desperdicei
Quando o que eu mais queria
Era provar pra todo o mundo
Que eu não precisava
Provar nada pra ninguém

Me fiz em mil pedaços
Pra você juntar
E queria sempre achar
Explicação pro que eu sentia

Como um anjo caído
Fiz questão de esquecer
Que mentir pra si mesmo
É sempre a pior mentira

Mas não sou mais
Tão criança a ponto de saber tudo

Já não me preocupo
Se eu não sei por quê
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê
E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você

Tão correto e tão bonito
O infinito é realmente
Um dos deuses mais lindos

Sei que às vezes uso
Palavras repetidas
Mas quais são as palavras
Que nunca são ditas?

Me disseram que você
estava chorando
E foi então que percebi
Como lhe quero tanto

Já não me preocupo
Se eu não sei porquê
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê
E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você

*****************

Ele começa a música dizendo estar distraído, impaciente, indeciso e confuso, porém está tranquilo e contente. Como assim? É possível estar impaciente e tranquilo ao mesmo tempo? Sim! É possível. Vou explicar!

O Renato fala sobre o conflito interno entre MENTE e CORAÇÃO. Ele era inteligentíssimo, um cara mega intelectualizado, mas ao mesmo tempo também era extremamente amoroso. Imagino que fosse muito difícil para ele equilibrar esse potencial tão incrível que ele tinha!

O mais interessante é o que vou dizer agora. Nossa mente quase sempre atrapalha muito mais do que nos ajuda. Então ele ficou dominado por ela por um longo tempo, mas a nossa essência mais profunda está atrelada ao nosso coração, ao nosso sentimento, e ela sempre fala mais alto, por mais que a gente brigue, se impaciente, não adianta! O coração é que manda no fim das contas.

Foi o que o Renato fez, ele se rendeu. Essa composição é uma espécie de “renda-se”. É como se ele dissesse: “Eu me rendo!”.

Daí ele fala das chances que desperdiçou por ficar tanto tempo totalmente identificado com a sua mente barulhenta! Ele queria “provar”. Provar é algo matemático, lógico, científico. Os matemáticos amam essa palavra! Rsrsrsrs

Mas em sentimentos não existe prova, não tem o que se provar, tem apenas o que se SENTIR.

Então ele se rende ao dizer que o segredo é não precisar provar nada pra ninguém! É nesse momento que vem sua libertação! Não é bacana?

Então, com muita sinceridade ele diz que estava mentindo para si mesmo, e essa, sem dúvida é a pior mentira. Todos nós mentimos para nós mesmos inúmeras vezes, e pagamos o preço por isso. Mas a vida está aí para nos ensinar não é mesmo? Esse próprio texto pode servir para lhe ensinar um pouco sobre isso! Meus agradecimentos à sabedoria do grande Renato!

Depois ele coloca uma frase genial! Você sabia que querer ficar provando tudo para os outros é uma atitude INFANTIL? Sim! Mostra INSEGURANÇA. Se você é bem seguro de si mesmo, não precisa provar nada pra ninguém, sua própria vida e suas atitudes provam por si só!

Lembra uma das mais célebres frases do mestre Dalai Lama? “O silêncio é um dos argumentos mais difíceis de rebater…”. A maturidade emocional de uma pessoa pode facilmente ser analisada pela sua capacidade de ficar em SILÊNCIO, mas não qualquer silêncio, estou falando do silêncio pacificado e terno. Esse é o silêncio dos sábios!

Infelizmente existem as pessoas que são silenciosas por causa da TIMIDEZ, mas na realidade estão loucas, se coçando para falarem! Talvez você seja uma dessas pessoas! Não se preocupe! Eu já fiz parte desse grupo por vários anos na minha vida.

Dá pra sair dele! Quer sair? Só existe uma saída. O AUTOCONHECIMENTO. Busque ajuda, faça uma terapia, leia livros edificantes, estude um pouquinho de PNL, ela é uma ferramenta poderosa! Enfim! Tem muita coisa para falar sobre isso, mas deixo para me aprofundar em outros textos. Por enquanto, deixo esse vídeo que fala de forma bem didática que ninguém É tímido, mas SE TORNOU por causa de condicionamentos e crenças adquiridas na infância! Ele é bem esclarecedor. Vale a pena conferir!

Então vem o lindo refrão no qual ele diz que vê coisas que ninguém vê, mas já não se preocupa com isso. E além disso, ele demonstra sua HUMILDADE ao dizer que vê o mesmo que os outros. A única diferença é que ele via o mesmo que os outros, mas com uma perspectiva mais profunda, com o sentimento aflorado, o que fazia ter um brilho especial!

Na segunda parte da música ele fala sobre o Deus INFINITO, um Deus lindo que eu também admiro pra caramba! Não tem nem o que falar dele, não é? Ele não é infinito? Então não precisa falar sobre ele!!

Então ele termina a música com um tom romântico mostrando que ama as pessoas que são parecidas com ele, que são emotivas, que choram fácil como ele chorava. É quase como se estivesse falando com ele mesmo! Engraçado, não é? Essa música é um tanto quanto autobiográfica!

Depois ele retorna para o refrão e conclui a música!

Espero que tenha gostado dessa interpretação que acredito se aproximar bastante da proposta do Renato!

Fique à vontade para comentar, para acrescentar algo que possivelmente tenha esquecido ou mesmo para perguntar algo!

Já não me preocupo
Se eu não sei porquê
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê
E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você

Imagem de capa: Reprodução

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Isaias Costa
Bacharel em Física. Mestre em Engenharia Mecânica e Psicanalista clínico. Trabalha como professor de Física e Matemática, mas não deixa de alimentar o seu lado das Humanas estudando a mente humana e seus mistérios, ouvindo seus pacientes e compartilhando conhecimentos em seu blog "Para além do agora", no qual escreve desde 2012.