Um mundo de informações velozes e pessoas tristes

Vivemos em um mundo assustadoramente veloz. As informações nos chegam cada vez mais rapidamente e em uma quantidade avassaladora. Estima-se que uma pessoa “conectada” receba atualmente mais informações em um dia do que seus antepassados recebiam durante toda uma vida. Mas não é só o acesso a informação que foi democratizado, a produção dela também foi.

Com um smartphone à mão e uma ideia na cabeça, o mundo passou a ter um contingente de bilhões de repórteres e jornalistas, a maioria deles sem qualquer compromisso com a verdade ou com as consequências daquilo que publica. E é esse mundo, em que as informações e notícias são consumidas com cada vez menos profundidade de análise, que está deixando as pessoas cada vez mais ansiosas e frustradas.

Há algumas décadas as pessoas eram capazes de manter sua atenção focada por quase uma hora, em média, num mesmo assunto antes de perder-se em outros pensamentos. É por isso que as aulas dos colégios, das faculdades, as palestras e as sessões de terapia têm essa duração. Com a avalanche de informações e o aumento do custo de oportunidade de fixar a atenção em uma só coisa – e perder uma infinidade de outras coisas que acontecem enquanto isso – esse tempo foi diminuindo. Hoje, estima-se que seja de cerca de 8 segundos apenas. Não é coincidência que as propagandas do Youtube demorem 7 segundos (em um de seus modelos mais populares à venda para anunciantes).

YOUTUBE: As coisas continuam demorando para dar certo, muito mais do que 7 segundos / (Dado Ruvic/Reuters)

Nesse mundo, chocar ou prometer milagres já nas primeiras linhas de um anúncio ou nos primeiros segundos de um vídeo parece ter se tornado a estratégia mais utilizada para fisgar as pessoas. E é por isso que as “fórmulas de lançamento” que prometem deixar as pessoas ricas em uma semana, os produtos de beleza que acabam com celulites ou rugas em poucos dias, e os cursos de idiomas que te fazem fluente em poucas semanas são o hit do momento. Ótimos somente para quem os vende.

Do outro lado do balcão estamos nós, os consumidores. Que fazem à risca o que mandam as fórmulas anunciadas e, contrariando nossas esperanças e expectativas, seguimos colecionando fracassos atrás de fracassos em nossos negócios, rugas e mais rugas em nossos rostos, e mal conseguimos pedir um Big Mac sem picles em inglês após dois meses de curso.

Pior ainda, somos bombardeados com os raros casos de pessoas que deram certo usando estes métodos ditos “milagrosos”, veiculados a torto e a direito pelos charlatões de plantão, e passamos a achar que o problema somos nós (e não essas levianas promessas). Nos deprimimos, humilhamos e escondemos do mundo, convictos que somos um erro e nossas vidas um desastre sem solução.

Mal sabemos que o fracasso continua sendo a regra e o sucesso, a exceção. Mesmo para os que seguem à risca as fórmulas milagrosas. A verdade é que estas pessoas não têm nada de errado além do fato de acreditar que os resultados passaram a acontecer na mesma velocidade das informações que os prometem. As coisas continuam demorando para dar certo, muito mais do que 7 segundos.

Na verdade, com uma competição muito maior e barreiras de entrada quase inexistentes, a maior parte dos negócios passou a ser mais difícil e não mais fácil de dar certo. Dar certo será sempre o resultado de errar, errar, errar, até se exaurir todas as possibilidades que não dão certo e só sobrar a que funciona. Para isso é preciso resiliência e paciência, características cada vez mais raras nesse nosso mundo frenético e imediatista.

As flores seguem nascendo na primavera, o sol ainda se põe uma vez por dia e os bebês continuam passando nove meses dentro das barrigas de suas mães antes de nascer. Para dar certo no mundo de hoje, você ainda vai ter que fazer muito e esperar mais ainda. A não ser que queira enganar os outros vendendo as suas fórmulas milagrosas (que não funcionaram para você).

Artigo de Eduardo Moreira publicado em Exame

Imagem de capa: anucha maneechote/shutterstock

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.