Um em três casos de Alzheimer no mundo pode ser evitado segundo um novo estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

Num artigo publicado na revista especializada “The Lancet Neurology”, a equipa de cientistas britânicos relata que analisou dados baseados em censos populacionais para descobrir os sete principais fatores de risco no desenvolvimento da doença.

Esses fatores são a diabetes, hipertensão na meia-idade, obesidade na meia-idade, sedentarismo, depressão, fumo e baixo nível de escolaridade.

Segundo os investigadores, um terço dos casos de Alzheimer podem estar ligados a fatores relacionados com o estilo de vida dos pacientes e que podem ser modificados, como a falta de exercício e o tabagismo.

Com base nesta premissa, os investigadores analisaram como a redução destes fatores pode afetar o número dos casos da doença no futuro. Partindo desta proposta de análise, descobriram que, ao reduzir cada fator de risco em 10%, quase nove milhões de casos de Alzheimer poderiam ser evitados até 2050.

As atuais estimativas sugerem que mais de 106 milhões de pessoas no mundo viverão com a doença em 2050, mais de três vezes o número de afetados em 2010.

Fonte indicada: Move Notícias

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.