É difícil quem nunca tenha “errado a mão” nos gastos para fazer algum gosto ou desejo de um filho. Mas quais seriam os limites do que é saudável e do que passa a ser um sinal de desequilíbrio?

Kasey Akram talvez nos dê algumas dicas sobre essa diferença, uma vez que ela desconhece a palavra “não” quando o assunto são os desejos de 1 ano.

“O que Jareem pede ele recebe. O último par de sapatos que eu comprei foram uns chinelos numa loja de departamentos. Gastei R$ 6. No mesmo dia, comprei um tênis da Gucci para ele”, revelou. Em outra ocasião, a cama dela quebrou e, ao invés de comprar uma nova, preferiu usar o dinheiro para dar uma cama em forma de trator para o pequeno. Enquanto isso, a mãe passou noites dormindo num colchão no chão.

Recentemente, ela gerou forte comoção na internet quando, em uma entrevista à SWNS, ela disse que faria qualquer coisa, inclusive andar sem roupas, para que seu bebê pudesse ter todas as coisas que sonhar.

“Eu não me importo em andar por aí com sapatos de loja de departamento, desde que o meu príncipe tenha tudo do bom e do melhor”, destacou.

E, para que fique claro que essas frases não são exagero, a britânica, que atualmente está desempregada e vive de auxílio do governo e do pai da criança, mostra o guarda-roupa do filho. Nele, há objetos como um colar de R$ 4,8 mil, uma pulseira de diamantes de R$ 5,8 mil, uma chupeta de ouro de R$ 6,3 mil, roupas de grifes, como Gucci, Giorgio Armani, Kenzo, Versace…

“Tudo o que ele pede eu dou. E, se eu não puder pagar, ligo para o pai dele e pego o dinheiro”, disse. Ela é ex-modelo e, atulmente, está desempregada e recebe auxílios financeiros do governo. Mesmo assim, isso não impede que ela garanta esses “luxos” do filho. “Eu faço tudo isso com benefícios e a ajuda do meu ex-parceiro”, completa ela.

Kasey acredita que poderá manter esse comportamento sem limites até o filho se tornar adulto”. O pai dele sempre diz que, quando fizer 18 anos, Jareem vai arranjar uma namorada e se mudar, mas eu digo: ‘Não, dormiremos em beliches quando ele estiver velho demais para dividir uma cama comigo'”, contou.

***

Com informações de Revista Crescer
Imagens: Lee McLean/SWNS

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.