Triunfo histórico: Venda de elefantes africanos para zoológicos está proibida em todo o mundo

“Como nós, os elefantes sentem alegria quando se reencontram com a família e sentem dor quando são brutalmente separados deles. Como nós, eles precisam de amigos e espaço para prosperar. Os danos físicos e psicológicos causados aos elefantes por sua captura traumática e sua vida empobrecida em cativeiro estão bem documentados”, diz Joyce Poole, especialista em comportamento de elefantes.

REDAÇÃO CONTI outra

Na décima oitava reunião de um tratado internacional de comércio de vida selvagem, realizado em Genebra, na Suíça, os países aprovaram uma proposta que diz que os elefantes do Botsuana, Zimbábue, Namíbia e África do Sul só podem ser exportados para países africanos onde os elefantes vivem ou costumavam viver. Há uma exceção: a exportação é permitida se um país puder verificar se há um benefício real da conservação enviando um elefante para outro local.

A proposta foi um dos tópicos mais controversos da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora (CITES), na qual 182 países e a União Européia se reuniram para discutir regulamentos comerciais.

“Proibir a retirada de bebês elefantes de suas famílias para levá-los a zoológicos representa uma grande vitória para o bem-estar animal”, diz Frank Pope, CEO da organização sem fins lucrativos Save the Elephants, sediada em Nairóbi.

Capturar e vender elefantes vivos tem sido alvo de críticas crescentes, à medida que os cientistas aprendem mais sobre o complexo comportamento e intelecto dos elefantes. Estudos descobriram que os elefantes têm um grande vínculo familiar e de amizade, são criaturas inteligentes e sociais.

Nos últimos anos, foram coletadas informações que mostram que eles usam ferramentas, trabalham juntos para alcançar objetivos comuns, lamentam seus falecidos e são capazes de ter empatia. Todos esses fatos preocuparam cientistas e grupos de bem-estar animal, já que muitos elefantes, geralmente jovens, são separados de suas famílias na natureza para serem vendidos a zoológicos.

“Como nós, os elefantes sentem alegria quando se reencontram com a família e sentem dor quando são brutalmente separados deles. Como nós, eles precisam de amigos e espaço para prosperar. Os danos físicos e psicológicos causados aos elefantes por sua captura traumática e sua vida empobrecida em cativeiro estão bem documentados”, diz Joyce Poole, especialista em comportamento de elefantes.

Estar separado de suas famílias pode causar trauma psicológico, resultando em condições que incluem depressão, ansiedade, agressão e, às vezes, falecimento precoce.

Este acordo é uma ótima notícia para a natureza e, especialmente, para esses animais que poderão crescer em seu habitat natural, em vez de ficarem em um local fechado e longe da família.

***

Redação CONTI outra. Com informações de Nation.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.