Tribos amazônicas usarão drones para detectar o desmatamento ilegal na floresta

Eles não vão desistir da floresta sem lutar!

REDAÇÃO CONTI outra

Grupos de direitos indígenas e o WWF International começaram a treinar tribos andinas nas profundezas da floresta amazônica no uso de drones para que eles, como especialistas em floresta, possam ajudar a proteger a vida selvagem e identificar, compilar evidências e relatar sobre atividades madeireiras ilegais.

O WWF se uniu à Kaninde Ethno-Environmental Defense Association , uma sociedade civil composta por biólogos, silvicultores, cartógrafos, antropólogos, especialistas em saúde e tecnologia da informação e jornalistas para ministrar um curso de operação de drones para cinco tribos indígenas separadas, incluindo os Uru Eu Wau Wau, residentes no estado de Rondônia, oeste do Brasil.

Com os drones, as tribos foram capazes de criar imagens de alta resolução, vídeo e coordenadas GPS de locais de exploração madeireira, castanheiras – uma fonte valiosa de renda – e habitat principal para espécies vulneráveis como a águia real, a maior da região família accipitridae e um pássaro que é sagrado para o Uru Eu Wau Wau.

A extração ilegal de madeira é uma das principais causas da onda de incêndios florestais vivenciados na Amazônia nos últimos 24 meses, à medida que os pecuaristas queimam a floresta para abrir caminho para pastagens.

De acordo com Felipe Spina Avino, analista de conservação sênior do WWF-Brasil que ajudou a organizar e executar o programa de treinamento de drones, a tecnologia é surpreendentemente bem aceita pelos grupos indígenas e lhes dá uma maior capacidade de utilizar seu conhecimento ancestral sobre a floresta para protegê-la de madeireiros.

“Eles podem compilar um caso com muitas evidências para enviar às autoridades, que terão muito mais pressão e muito mais recursos para agir sobre as atividades ilegais que estão ocorrendo”, disse ele à CNN.

Aparentemente, a primeira vez que a equipe usou a tecnologia, eles descobriram uma área de 1,4 acre de terreno raso, sobre a qual eles eventualmente registraram avistamentos de um helicóptero espalhando sementes de grama, sugerindo que quem limpou a floresta planejava usá-la para pastagem de gado; uma atividade ilegal.

O COVID-19 e a percepção de suscetibilidade dos grupos indígenas ao vírus, impediu que os funcionários do governo brasileiro estacionassem muitos órgãos de autoridade para impedir que madeireiros e fazendeiros acendessem incêndios na Amazônia. Como resultado, as atividades madeireiras deste ano foram piores, de acordo com o grupo de direitos indígenas Survival International.

O projeto do drone, que pode custar apenas US $ 2.000 para equipamentos e treinamento por grupo, ajuda a inclinar a balança para tribos como os Uru Eu Wau Wau.

***
Redação CONTI outra. Com informações de goodnewsnetwork

Imagem de capa: WWF-UK

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.