Talvez sua mania de grandeza o impeça de viver o amor

Talvez você tenha encontrado uma pessoa maravilhosa, que despertou o seu encanto, com reciprocidade. Contudo, você cisma que merece alguém melhor, mais culto, com mais dinheiro, mais viajado, que usa roupas de grife, etc.

Talvez você tenha encontrado uma pessoa maravilhosa, que despertou o seu encanto, com reciprocidade. Contudo, você cisma que merece alguém melhor, mais culto, com mais dinheiro, mais viajado, que usa roupas de grife, etc. Essa pessoa, em sua simplicidade, tem um tesouro para lhe oferecer. Vocês têm incontáveis afinidades, vocês sorriem muito juntos, a química é maravilhosa e o encaixe é perfeito. Mas, você insiste que essa pessoa não está à sua altura, isso porque você idealiza uma pessoa com um padrão de perfeição que nunca existirá.

Ao invés de abraçar essa pessoa com tudo de interessante que ela possui, você se reveste de uma mania de grandeza, baseando-se em opiniões externas. Na verdade, você quer ter um relacionamento invejável. Essa pessoa o encanta, mas, por não ter atributos notórios aos olhos e valores alheios, você já entende que não vale a pena se relacionar com ela, ainda que esteja encantado.

Enquanto isso, a sua chance de ser verdadeiramente feliz vai escorrendo pelos dedos. Sabe, chega uma hora que é uma questão de se posicionar. É preciso entender que o amor é simples, ele pode ser aquele pacote de pipoca em sua mão sentado numa praça, mas você colocou na cabeça que é aquele jantar num restaurante glamuroso com as fotos circulando em todas as redes sociais. Em suma: você precisa se decidir se quer ser feliz com alguém ou se quer apenas chamar a atenção das pessoas e sentir-se invejado por elas. É pegar ou largar.

***

Photo by Jaddy Liu on Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Sou uma mulher apaixonada por tudo o que seja relacionado ao universo da literatura, poesia e psicologia. Escrevo por qualquer motivo: amor, tristeza, entusiasmo, tédio etc. A escrita é minha porta voz mais fiel.