Sobre o trajeto

Carregarei, por vezes, bagagens que nem são minhas

Mentiria se dissesse que antecipo a espessura dos meus calos e os segundos que antecedem os abismos;
que prevejo as tempestades e sei me ser abrigo antes que elas desaguem pelos olhos;
que confio nas direções que apontam meus mapas rasurados pelo desencanto.

Eu me atrapalharei ao distribuir corretamente o fôlego;
correrei maratonas num dia,
e, noutro, estarei ocupada dando colo à melancolia.

Carregarei, por vezes, bagagens
que nem são minhas,
resistentes que são meus ombros em aprender a descartá-las.

Mas sei que nunca faltará poesia nos meus pulmões,
que minhas retinas serão sempre fiéis fabricantes de milagres,
e minhas mãos se entrelaçarão por inteiro àquelas dos que escolheram caminhar ao meu lado.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Patrícia Pinheiro
Gaúcha e estudante de Psicologia. É escritora e revisora de textos na Sociedade Racionalista, colunista do CONTI outra, artes e afins, Fãs da Psicanálise, Inspiring Life e escreve, ainda, para o Blogueiras Feministas; Brasil Post; Benfazeja; Psiconline Brasil e Puta Letra. É feminista, apaixonada por moda e assumidamente viciada em filmes e séries. Ainda irá viver da escrita.

COMENTÁRIOS