Sentir doer em nós a dor do outro é o que nos mantém distantes da barbárie

O que aconteceu em Brumadinho é um grande exemplo do que nos coloca diante do horror. Centenas de desaparecidos, mortos sendo contabilizados a cada hora, destruição, caos, e uma sensação forte de que o que ocorreu foi um crime, um crime contra todos nós. Horror, caos, destruição.

Tais Abdo

O que aconteceu em Brumadinho é um grande exemplo do que nos coloca diante do horror. Centenas de desaparecidos, mortos sendo contabilizados a cada hora, destruição, caos, e uma sensação forte de que o que ocorreu foi um crime, um crime contra todos nós.
Horror, caos, destruição.

Questões da humanidade são questões da psicologia e da psicanálise. Ao meu ver o nosso papel, enquanto psicólogos, enquanto estudantes da psicanálise, é o de fornecer algum entendimento e conforto ao ser humano, ser ao menos abrigo quando a dor vier.

E é assim que vejo o nosso papel diante do trauma, diante da dor. Nos últimos dias o Brasil inteiro sofreu com o que ocorreu em Brumadinho, e na minha clínica, centenas de quilômetros de distância da tragédia concreta, escuto pessoas que desabam em lágrimas de solidariedade e compaixão. Aliás não somente na clínica, muitos ao meu redor estão sofrendo. E acredito que isso é um traço do humano, sinal de humanidade. Sentir doer em nós a dor do outro é o que nos mantém distantes da barbárie, é unir forças para que tragédias assim (criminosas, irresponsáveis) sejam evitadas. É por nossa empatia que nos fortalecemos, que sobrevivemos.

E clinicamente falando, é desse sentimento de empatia e de permissão para que o outro possa chorar, viver seu luto, mostrar sua indignação, que é feita a psicologia em situações de tragédia. Porque o trauma não se dá somente na hora que a tragédia acontece, ele se enraíza se não há espaço de fala para aquele que sofreu. Portanto, que possamos neste momento ser todo ouvidos e empatia, para escutar, significar e permitir a elaboração da dor e do luto que os afetados pela tragédia de Brumadinho estão passando. Que possamos permitir-lhes espaço de fala e de luta, que o luto seja vivido, elaborado, e seu significado seja símbolo da força que podemos mobilizar para que o ciclo se feche na elaboração, pois de repetição já estamos fartos.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Tais Abdo
Psicóloga clínica especialista em Psicoterapia Psicanalítica Contemporânea e atualmente mestranda na linha de Psicanálise e Civilização. Acredito não no poder de cura da psicologia, mas na capacidade que ela tem de transformar a dor e o sofrimento em compreensão e aprendizado.