Seleção norueguesa de handebol de praia se recusa a usar biquínis e pode ser multada

As norueguesas usaram leggings esportivas em vez da parte inferior do biquíni regulamentar, pelo que correm o risco de serem multados pela Federação Internacional de Handebol. No esporte, muitas mulheres consideram que usar biquínis por obrigação é "degradante" e impraticável.

CONTI outra

Mais uma vez, as regras e protocolos tradicionais se chocam com a visão atual a respeito da integridade da mulher e de sua figura.

Estamos na temporada esportiva: por um lado, os esperados – e também afetados – Jogos Olímpicos de Tóquio começam em breve e são várias as modalidades que estão definindo seus participantes no evento.

Por outro lado, algumas modalidades que não fazem parte dos jogos também estão em atividade, como é o caso do handebol de praia. Há poucos dias, o Campeonato Europeu de Handebol de Praia terminou na Bulgária, e a seleção feminina da Noruega chamou a atenção pelo vestuário na última partida que disputou contra a Espanha, pela terceira colocação na competição.

As norueguesas entraram em campo usando leggings esportivas em vez do biquíni clássico usado pelas jogadoras desse esporte. Elas já sabem que a troca de roupa implica em multas da Federação Internacional de Handebol (FIB). Cada uma destas infracções custaria 50 euros – quase 60 dólares – por jogadora e por jogo de cada uma delas.

Esta questão do vestuário tem sido amplamente debatida no meio desportivo de praia, uma vez que algumas jogadoras consideram o biquíni uma peça “degradante” ou simplesmente impraticável para o seu fim. Pelo mesmo motivo, as autoridades norueguesas do handebol decidiram pagar as multas e apoiar as suas atletas no protesto.

“Claro que vamos pagar qualquer tipo de multa. Estamos todos no mesmo barco. O mais importante é ter equipamentos com os quais os atletas se sintam confortáveis ​​(…) deve ser uma escolha livre dentro de um quadro definido ”, disse Kare Geir Lio, presidente da Federação Norueguesa de Handebol, à AFP.

A federação do país escandinavo já anunciou que levará a cabo uma moção para alterar as atuais regras de vestimenta das jogadoras, que será discutida por autoridades internacionais.

Em contrapartida, no início do ano houve outra polêmica sobre o vestuário, mas com o tom oposto. Karla Borger e Julia Sude , estrelas alemãs do vôlei de praia, decidiram boicotar um campeonato no Catar porque “é o único país” onde as jogadoras não podem usar biquínis nas competições.

Nesse sentido, o Catar é um país islâmico muito conservador, então espera-se que as mulheres se vistam cobrindo grande parte do corpo. Dito isso, a federação internacional do esporte teria pedido às suas jogadoras que usassem camisetas e leggings para jogar em vez dos biquínis”, em respeito à cultura e às tradições do país-sede.

Felizmente, as autoridades do Catar mudaram sua resolução e permitiram os biquínis no torneio. Mas esses problemas, tão semelhantes e opostos ao mesmo tempo, sugerem uma questão: por que continuamos a limitar a vestimenta dos atletas com base nas tradições?

Pelo menos, é um tema que já está sendo debatido.

***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.