São as pequenas coisas, os pequenos gestos, que fazem você amar alguém.

Ame com simplicidade, se entregue e não se esqueça de que o amor não precisa de muito para se manter vivo.

Eu sou apaixonada pela simplicidade e digo que amar alguém é simples. Para quem não leu “As 5 Linguagens do Amor” fica a dica de leitura. Lá aprendi muito sobre o amor e as formas que alguém pode se sentir amado.

Eu, particularmente, sou movida a gestos simples. Desde um bilhete despretensioso até mesmo um beijo na testa em público. Amo andar de mãos dadas. Amo quando as pessoas leem os meus textos e valorizam o meu trabalho. Amo sentir que alguém se importa com os meus planos e está interessado nos meus sonhos.

Adoro quando me perguntam se estou bem e me escutam quando estou mal. Às vezes, tudo o que precisamos é de um colo para chorar. Não precisamos que esse alguém nos dê a solução para os nossos problemas, só queremos ser ouvidos. Sentir que tem alguém ali por nós. Amo quando vejo o outro se esforçando em melhorar isso ou aquilo em prol da boa convivência e de como está disposto a mudança.

Amo um convite sem hora marcada para um “dogão” com direito a muita maionese (rsrs). Sabe, não precisa de muito para manter o amor vivo dentro de um relacionamento. São as pequenas atitudes, as pequenas gentilezas e gestos de respeito que fazem a gente amar cada vez mais.

Ame com simplicidade, se entregue e não se esqueça de que o amor não precisa de muito para se manter vivo. Muitos relacionamentos começam com toda a intensidade do mundo, cheio de gentilezas e gestos bonitos e depois de um tempo o casal se esquece da importância do beijo no rosto, do andar de mãos dadas, da maratona de filmes e séries, do respeito, dos elogios, do tempo a dois de qualidade… e por isso dizem que o “amor esfriou” quando, na verdade, foi você quem se esqueceu de continuar amando com simplicidade, com generosidade. Pense nisso!

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Thamilly Rozendo
Estudante de psicologia, apaixonada por artes, música e poesia. Não dispensa um sorvete e adora um pastel de feira com muito requeijão, mesmo sendo intolerante a lactose. Tem pavor de borboletas, principalmente as no estômago.