É incrível como algumas figuras precisam se demonstrar fortes apesar de sua grande dor. Muitos de nós pensamos que ter uma vida de realeza resolveria grande parte de nossos problemas, mas alguns acontecimentos possuem a mesma intensidade, tanto para a Rainha Elizabeth, quanto para nós, meros mortais.

E é que às vezes uma vida tão longa pode se traduzir em grandes despedidas e entre as mais dolorosas, é claro, está a de seu amado príncipe Philip.

AP News

Aparentemente, para lidar com essa dor, a rainha tem se refugiado no afeto de seus dois novos cães, que comprou quando o príncipe ainda estava no hospital. A monarca sempre foi uma grande amante de cães, principalmente os da raça corgi, seu primeiro foi chamado Susan a viveu até os 18 anos de idade.

Antes de comprar esses novos peludos, ela possuía outros cãezinhos corgi, Volcano e Candy. Volcano veio a falecer no ano passado, então restou apenas o pequeno senhor Candy.

Mas estes últimos peludos que ela adquiriu foram especiais desde o momento de sua aquisição, não só por acompanhá-la quando ela estava mais sozinha, mas também tiveram nomes significativos. Um se chamava Fergus, em homenagem a seu tio Fergus Bowes-Lyon, que perdeu a vida na Primeira Guerra Mundial, enquanto o outro se chama Muick, pronunciado “Mick”, em homenagem ao seu local de piquenique favorito na feira de verão.

AP News

Ao longo da vida a rainha teve cerca de 30 cães, mas estes últimos serão os companheiros fiéis nesta dor. Philip foi o homem que esteve ao lado da Rainha por 70 anos consecutivos, e que sempre a deixou brilhar.

Sem dúvida esses cães são de grande ajuda agora, sempre será saudável para ela ter Fergus e Muick para acariciar em seus momentos tristes. Eles com certeza estarão prontos para dar-lhe algumas lambidas de amor!

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.