Quem te deixa com raiva, te controla!

Existem situações que nos incomodam. Há momentos em que não podemos dominar o sentimento de raiva que cresce rapidamente dentro de nós. Há também pessoas que exercem o mesmo efeito.

Existem situações que nos incomodam. Há momentos em que não podemos dominar o sentimento de raiva que cresce rapidamente dentro de nós. Há também pessoas que exercem o mesmo efeito. Pode ser extremamente perfeccionista, muito crítico ou pessoas que não se comprometem. De um jeito ou de outro, a verdade é que seus comportamentos e atitudes acabam afetando seu equilíbrio psicológico, desestabilizam você e geram raiva.

No entanto, na realidade essa pessoa não é culpada pela sua raiva. Você não ficou zangado por causa da culpa deles, você foi quem lhes deu permissão para fazê-lo, você permitiu que o comportamento deles tivesse uma ressonância dentro de você, permitiu que isso o desestabilizasse. Afinal, devemos lembrar que apenas o que realmente importa para nós pode nos ferir.

Portanto, toda vez que deixamos uma pessoa soltar nossa raiva, é como se disséssemos “o que você pensa de mim, é mais importante do que o que eu penso”. Desta forma, você desiste do controle e dá poder ao outro, perdendo a batalha antes de começar.

Suas emoções são apenas suas

Carl Rogers disse: “Reconhecer que ‘sou eu quem escolhe’ e que ‘sou eu quem determina o valor que uma experiência tem para mim’, enriquece, mas também assusta.” E quando nos zangamos, temos a tendência de apontar o dedo para os outros.

Colocar o foco fora de nós é mais fácil porque dessa forma nos livramos de qualquer responsabilidade e evitamos ter que trabalhar para controlar essa raiva. É mais fácil culpar alguém pela nossa raiva do que procurar causas dentro de nós. Afinal de contas, fomos ensinados a pensar que a raiva é uma resposta a certas condições ambientais.

No entanto, esta é apenas uma pequena parte da verdade. A verdade é que nossas emoções e sentimentos são de nossa responsabilidade, porque, embora não possamos escolher como sentir em certas circunstâncias, podemos escolher como reagir a isso, temos a capacidade de modular nossas reações e manter o controle.

Portanto, toda vez que deixamos alguém nos aborrecer, estamos desistindo do controle, estamos dando uma importância que provavelmente essa pessoa não tem e, acima de tudo, deixamos que nos tirem algo muito precioso: nossa estabilidade emocional.

Aceitar que as emoções são nossas e escolher como reagir pode ser assustador porque implica assumir uma enorme responsabilidade, mas, ao mesmo tempo, abre um mundo de novas possibilidades porque nos convida a nos conhecer melhor, a mergulhar dentro de nós para entender por que reagimos de uma certa maneira.

Como se manter calmo?

Se pensarmos sobre isso, reagir com raiva antes de alguém é como colocar nossa estabilidade emocional em suas mãos. No entanto, você confiaria seu equilíbrio psicológico a um estranho que, por acaso, é hostil? Do ponto de vista racional, a resposta é um retumbante “não”. No entanto, do ponto de vista emocional, é o que fazemos sempre que nos zangamos. Portanto, é importante aprender a permanecer calmo. Responder com tranquilidade empodera. E muito.

1. Descubra a origem da raiva. Normalmente, a pessoa à sua frente é apenas a chama que acendeu o pavio. Pode ser que você esteja realmente com raiva porque teve um dia ruim, porque algo não aconteceu como você esperava. De um jeito ou de outro, a causa da raiva está dentro de você, não faz sentido olhar para fora. Este pequeno exercício de visão permitirá que você mude o foco de fora para dentro, e essa simples mudança de perspectiva permitirá que você assuma o controle da situação.

2. Não tome isso pessoalmente. Na maioria das vezes ficamos com raiva porque assumimos o comportamento ou atitude da outra pessoa como um ataque pessoal. No entanto, quase nunca é o caso, é uma má interpretação. Basicamente, o que acontece é que o nosso ego, que muitas vezes é desproporcional, nos faz pensar que certas situações são um ataque pessoal, porque nos identificamos demais com a experiência. Portanto, é importante aprender a avaliar situações assumindo uma distância emocional, para que você possa desenvolver uma perspectiva mais objetiva e racional. O mundo não trama contra você, é apenas uma percepção distorcida de um ego enorme.

3. Mude o modo de pensar. Para manter a calma nas situações mais complicadas, você pode pensar que a raiva é uma espécie de presente. Se uma pessoa está tentando te incomodar , você pode aceitar, ou não. Se você aceitar esse “presente”, ficará zangado e a pessoa terá adquirido poder sobre você. Pelo contrário, se você não aceitar, se você não seguir o jogo com insultos e provocações, você não terá alternativa senão manter todos esses sentimentos tóxicos para si mesmo. Lembre-se de que há pessoas que percorrem o mundo como se fossem caminhões de lixo emocionais, mas está em suas mãos aceitar que descarregam essas sensações tóxicas ou pedem que as coloquem em outro lugar, longe de você.

Em qualquer caso, tenha sempre em mente uma frase de Aristóteles: “Qualquer um pode ficar com raiva, é muito simples. Mas ficar com raiva da pessoa certa, no grau exato, no momento certo, com o propósito certo e o caminho certo, isso certamente não é tão simples “.

Este texto é uma tradução adaptada de Rincon Psicologia

Imagem de capa: Jota Lao on Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.