O médico, Wallace Pinheiro, pôde demonstrar toda a sua gratidão para seu antigo professor de química, que lhe deu uma bolsa de estudos quando ainda era estudante, ao ajudar em seu tratamento contra a Covid-19. Wallace Pinheiro, diz que salvar a vida dele foi uma forma de agradecê-lo pela oportunidade dada e também cumprir uma promessa: salvar vidas.

Wallace é nascido em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia. Quando estudava para a graduação, sabia que seria difícil passar em uma faculdade pública. Ele era morador da periferia e filho de empregada doméstico. Então, em 2010, começou a procurar colégios da capital pedindo ajuda para realizar o sonho de se tornar médico.

Após receber muitas respostas negativas, encontrou apoio no cursinho em que o professor Marcos Araújo era dono na época. “Ele falou assim: ‘Meu grande sonho é ser médico, mas está difícil, porque eu venho de escola pública, eu tenho pouca base, mas eu tenho muita força de vontade’”.

Professor Marcos Araújo ajudou jovem a entrar em universidade pública de medicina, em Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

“Aí eu perguntei: ‘Wallace, para que você quer ser médico?’’. E ele respondeu uma coisa que eu me arrepio até hoje: ‘Para salvar vidas’.”, contou Marcos.

A rotina do estudante então se tornou complicada, acordava às 4h40 para pegar ônibus em Trindade e conseguir estar às 7h10 no cursinho, em Goiânia, além de todos os estudos, é claro. Em 2012, Wallace foi aprovado em seis vestibulares e a última vez que o aluno e o professor haviam se encontrado foi há 6 anos, na formatura de Wallace.

Foto: Reprodução/TV Anhanguera

O destino, no entanto, promoveu o reencontrou dos dois, em uma situação mais delicada. Marcos testou positivo para a Covid-19 em agosto. Nos dez primeiros dias, ele teve pequenos sintomas, mas depois começou a ter muita dificuldade para respirar. Foram 20 dias internado no Hospital de Campanha de Goiânia, com comprometimento de 80% dos pulmões.

E, numa coincidência da vida, ele passou a ser cuidado pelo ex-aluno.

Foto: Reprodução/TV Globo

“No início, eu não acreditei que fosse o Wallace, eu acreditei que fosse um anjo. Um anjo na forma do Wallace. Como se Deus tivesse me mandado um anjo, e o anjo fosse aquele menino que eu tanto confiava”, conta.

O atual médico também se surpreendeu ao ver o antigo professor naquela situação: “Na hora eu nem pensei que poderia ser ele. A gente nunca pensa que o pior está acontecendo com alguém que a gente gosta”.

“Eu parei e falei: ‘Deus, me ajuda. Me ajuda a salvar a vida do Marcos’. Era a grande chance que eu tinha de retribuir o que ele me deu”, contou Wallace.

Marcos se tranquilizou com a presença de Wallace durante sua internação. “Ele conversou comigo e disse: ‘Você se lembra que falou que eu, como médico, iria salvar muitas vidas? Então, eu vim salvar a sua’. Aquilo, naquele momento, me encheu de esperança e eu pensei que ia vencer, não ia entregar os pontos”, relata o professor.

Em outubro, Marcos recebeu alta e já está em casa, recuperado e sem sequelas. “A lei do retorno vem mesmo. Eu jamais imaginaria que aquele menino, aquele garotinho, um dia pudesse ser responsável pela minha vida. A minha vida esteve na mão dele e, graças a Deus no céu e o Wallace aqui na terra, eles conseguiram manter a minha vida”, completou emocionado.

Com informações de G1.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.