A Princesa Mako, filha do príncipe herdeiro do Japão e sobrinha do imperador Naruhito, suportou anos de críticas e protelação sobre seus planos de se casar com o namorado, Kei Komuro, a quem conheceu na faculdade.

O casal agora decidiu se casar sem algumas cerimônias tradicionais e rejeitar um pagamento de US$ 1,3 milhão (cerca de 6,7 milhões de reais) que geralmente é destinado para mulheres da realeza que se casam fora da família real.

Segundo as regras de sucessão imperial do Japão, Mako, de 29 anos, perderá seu título após se casar com um plebeu. Mas Kei Komuro ainda tem sido fortemente rejeitado pela família imperial por alegações de que sua mãe pediu dinheiro emprestado a um ex-noivo e não pagou.

Depois que um tablóide noticiou as alegações, um furor irrompeu em torno do jovem casal em um país onde a família real é adota um exigente padrão ao incluir novos membros.

O Príncipe Fumihito com a filha, Princesa Mako em evento no Japão (Foto: Getty Images)

O casal chegou a adiar o matrimônio Komuro mudou-se para os Estados Unidos para estudar direito, algo que foi visto pela mídia como uma tentativa de neutralizar a atenção negativa que o rapaz estava recenbendo em seu país.

O príncipe herdeiro Akishino disse no ano passado que apoiava o casamento de sua filha, mas que a união precisava “ganhar o entendimento” do público.

A Princesa Mako em evento no Palácio Imperial de Tóquio (Foto: Getty Images)

Mas a princesa aparentemente decidiu contornar o problema casando-se sem as cerimônias rituais usuais que acompanham um casamento real e recusando o pagamento de uma quantia total de 137 milhões de ienes oferecida a mulheres da realeza que se casam com plebeus.

Ela também está planejando se mudar para os Estados Unidos após o casamento, o que causou comparações inevitáveis ​​com outro casal real controverso: o príncipe britânico Harry e Megan Markle.

A Princesa Mako em evento no Palácio Imperial de Tóquio (Foto: Getty Images)

A princesa Mako é irmã do príncipe Hisahito, 14, atualmente o único herdeiro homem elegível ao trono além de seu pai, pois o trono do crisântemo do Japão só pode ser passado para membros do sexo masculino da família, e os filhos de mulheres da realeza que se casam com plebeus não estão incluídos.

Não houve confirmação oficial dos planos da princesa Mako, mas os relatos superaram os boletins de notícias e geraram um frenesi nas redes sociais.

A opinião dosn internautas está bastante dividida, com alguns insistindo que ainda era “muito cedo” para Mako e Kei se unirem em matrimônio.

O enlace do apaixonado casal está previsto para o final de 2021.

***
Redação Conti Outra, com informações de The Straits Times.
Foto destacada: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.