É muito provável que a coisa mais intimidante sobre o aquecimento global não seja o quão iminente ele é e as consequências catastróficas que terá para a vida na Terra, mas o quão pouco está sendo feito em todo o mundo para reduzir os seus danos. Não é necessário pesquisar muito para descobrir que materiais como os plásticos são altamente poluentes, além de totalmente desnecessários, se todos decidirmos mudar para os materiais alternativos recomendados por especialistas.

Mas só porque os líderes dos maiores e mais poderosos países do mundo, assim como as corporações, não estão fazendo o que deveriam fazer a respeito, isso não significa que as pessoas não possam fazer a sua parte.

Foi essa atitude que motivou Esteve Domènech, um empresário espanhol, a abrir o seu primeiro “Linverd Eco Market”. Levando a consciência ecológica para o próximo nível, Esteve surgiu com o modelo de um supermercado onde nenhum plástico descartável é vendido ou utilizado.

Cesar Rangel

“Queríamos criar um espaço onde o cliente tivesse a oportunidade de maximizar as opções de compra responsável. Todos os nossos produtos são ecológicos, mas também queríamos ir mais longe dando a opção de adquirir bens de consumo sem gerar resíduos”, conta Esteve Domènech para La Vanguardia.

@linverd_market

Os produtos do mercado podem ser carregados tanto em sacolas de papel 100% recicláveis entregues na loja, quanto sacolas trazidas pelos compradores. Isso se reflete na forma como os produtos locais são oferecidos: não existem sacolas plásticas com os produtos dentro, mas são armazenados em recipientes de vidro, de onde cada comprador retira a quantidade que procura.

Junto com isso, talvez o ponto mais marcante do Eco Market seja seu jardim vertical. Recorrendo à engenharia e ao cultivo, os criadores conseguiram implantar nas instalações uma horta, que serve tanto para cultivar como para conservar frescos os legumes que se comercializam no estabelecimento.

Cesar Rangel

Dessa forma, eles garantem que seus clientes recebam apenas produtos do mais alto frescor.

Levando em consideração a crise ecológica que cada vez mais ameaça tornar nossas vidas impossíveis, soluções como essas nos inspiram a acreditar que podemos seguir em frente. De nossa parte, o mínimo que podemos fazer é reciclar todas as latas, papelão e outros recipientes que pudermos. Não se trata de uma pessoa tentando salvar o planeta inteiro, mas de cada um por si só, fazer uma pequena contribuição.

 

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.