Pessoas com baixa autoestima não se comprometem- Luiz Marins

Fico impressionado ao ver que há pessoas que não se comprometem com nada.

Escrito por Luiz Marins

Fico impressionado ao ver que há pessoas que não se comprometem com nada. É claro que pode ser um problema patológico e a vítima deve buscar tratamento com especialistas. Mas, segundo médicos que entrevistei, esses casos não são comuns. “Há pessoas que não se comprometem simplesmente porque é mais fácil não se comprometer” me disse uma psicóloga.

De fato, pessoas com elevada autoestima, que se comprometem, que vão atrás da solução, que são proativas, terão sempre mais trabalho e incomodarão aquelas que não se interessam, não fazem, fingem não ter visto e escapam de qualquer responsabilidade. A verdade é que essas pessoas pouco comprometidas fazem da vida uma rotina sem sentido e entram num círculo vicioso da baixa autoestima:
Pessoas-com-baixa-autoestima-nao-se-comprometem (1)

Uma pessoa com baixa autoestima aumentará sua apatia que gerará seu isolamento das promoções e atividades que gerará baixa autoestima que trará a desmotivação que novamente alimentará o desinteresse. Pode parecer absurdo afirmar que a baixa autoestima gera a apatia. Mas uma pessoa com autoestima elevada procura em primeiro lugar enfrentar sua apatia, enfim ela busca uma solução para seus problemas.

Assim, é preciso que cada um de nós faça uma autoanálise para ver porque andamos tão apáticos e desinteressados pelas coisas e pela vida. Será que não estamos nos sentindo vítimas do mundo? Será que não estamos nos deixando contaminar pela crise e em vez de enfrentá-la estamos querendo jogar a toalha em vez de continuar lutando? Será que nossa baixa autoestima não está nos fazendo querer que alguém resolva nossos problemas?

Acompanhe o autor em seu site

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.

COMENTÁRIOS