Pesquisa liderada por cientista brasileiro faz dois paraplégicos caminharem

Um vídeo que mostra os pacientes caminhando foi publicado pelo cientista brasileiro em sua conta no Twitter. Acesse e veja!

REDAÇÃO CONTI outra

As pesquisas científicas no Brasil vêm alcançando interessantes resultados, e mais uma prova disso é que a revista “Scientific Reports” deu destaque na sua edição da última sexta-feira a uma pesquisa liderada pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, que levou dois paraplégicos a caminharem.

De acordo com a publicação, a partir de várias abordagens combinadas, em especial o desenvolvimento de um novo dispositivo de estimulação muscular e de uma interface cérebro-máquina, dois pacientes com paraplegia crônica “foram capazes de caminhar com segurança apoiados em 70% do peso do próprio corpo, acumulando ao todo 4.580 passos”, explica o cientista na pesquisa.

“Aqui novamente as imagens de um feito histórico da balbúrdia da ciência brasileira!”, escreveu Miguel Nicolelis, fazendo menção à alegação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, de “balbúrdia “, quando do primeiro anúncio de corte às universidades, então direcionado a apenas três instituições e, depois, ampliado para todas as instituições federais do país.

Um vídeo que mostra os pacientes caminhando foi publicado pelo cientista brasileiro em sua conta no Twitter. A pesquisa é parte do Walk Again Project (projeto Andar de Novo, em português), um consórcio internacional sem fins lucrativos que reúne pesquisadores em torno da recuperação de pacientes com lesões medulares. O vídeo publicado por Nicolelis mostra a lenta caminhada dos pacientes. Ele imagina a perna esquerda se movendo, o que aciona a contração de oito músculos naquele membro.

Os resultados são fruto de muitos anos de pesquisas — os passos das caminhadas se dão ao longo de diversas sessões, com grandes intervalos de tempo entre uma e outra. O vídeo mostra a evolução dos dois pacientes com a interface cérebro-máquina que é considerada não-invasiva. Um deles tem 40 anos, e o outro, 32, que sofreram a lesão há 4 anos e meio e dez anos, respectivamente.

Em 2014, o nome de Miguel Nicolelis já tido sido destaque fora do meio acadêmico. Na ocasião, o cientista fez um jovem paraplégico caminhar e dar um chute simbólico numa bola na abertura da Copa no Brasil.

***

Redação CONTI outra. Com informações de O Globo.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.