‘Perdi minha neta num tiroteio bárbaro’, diz avó de grávida vítima de bala perdida

Kathlen Romeu, de 24 anos, foi uma vítima de bala perdida em operação da Polícia Militar no Rio de Janeiro.

CONTI outra

Kathlen Romeu foi mais uma das vidas que foram tiradas injustamente nas comunidades do Rio. Ela, era designer de interiores e tinha 24 anos.

Kathlen morreu ao seu atingida por uma bala perdida de uma operação da Polícia Militar. A mulher estava grávida de 14 semanas e já tinha anunciado a escolha de nomes: Maya ou Zyon.

Foto: Reprodução Instagram

“Neném, já me sinto pronta para te receber, te amar, cuidar!!! Deus nos abençoe”, escreveu a mãe em uma publicação.

A designer também contava sobre seu dia-a-dia como gestante e havia revelado que já estava com sintomas. De acordo com a publicação, a jovem sentia azia, enjoos e uma “fome de leão”.

“Acordo as vezes assustada e pensando que não é real, mas aí vem uma fome de leão, uma dor de cabeça, um sono inacabável, uns enjoos incontroláveis e as azias que só Jesus me ajudando! Tem horas que penso que ficarei presa com os meus arrotos! É, tem sido desse jeito e nessa hora que eu lembro: Estou grávida”, diz o post na rede social.

Kathlen estava passando na rua com sua avó, na comunidade de Lins de Vasconcelos, na Zona Norte do Rio, até que foi baleada inesperadamente. Ela foi levada para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, mas foi a óbito.

Seu namorado, Marcelo Ramos, é tatuador e designer gráfico, e pai do filho que ela estava esperando. Ele utilizou suas redes sociais para prestar homenagem à sua amada.

Foto: Reprodução Instagram

“Nunca será esquecida meu amor, você, a Maya/Zayon sempre irão morar dentro de mim, estou completamente sem chão, as vezes é difícil entender a vontade de Deus, mas sei que você está melhor que nós. Aqui só vai ficar saudades e as lembranças de você, a pessoa mais radiante e animada que eu conheci na minha vida, vou vencer por você. Que Deus me dê força”, publicou Marcelo.

Foto: Reprodução Instagram

A avó, que estava presente no momento do tiroteio, também se posicionou sobre o ocorrido: “A minha rua tá muito perigosa, eu não queria ter perdido minha neta e perdi desse jeito estúpido. Eu perdi minha neta num tiroteio bárbaro”.

“A gente estava indo na firma da minha filha. Quando nós passamos a rua estava tranquila. Foi tudo muito de repente. A minha neta caiu, começou muito tiro. Quando eu puxei ela caiu, eu me machuquei ainda, me joguei para proteger ela, que está gravida. Eu só vi um furo no braço dela e gritei para eles me ajudarem a trazer. Perdi minha neta e meu bisneto”, acrescentou a avó chorando.

Com informações de G1

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.