A pequena pata chamada “Keeper” nasceu com uma condição estranha que a impedia de nadar bem, suas penas não eram impermeáveis (condição extremamente necessária para pássaros entrarem na água) e absorviam toda a água. Felizmente, seus cuidadores encontraram uma solução um tanto rústica, mas que provou ser extremamente eficaz.

Tudo aconteceu na Flórida, nos EUA, onde uma mulher passeando perto da cidade de Naples encontrou uma cena um tanto estranha e perturbadora.

Acontece que no estacionamento de um supermercado local ela encontrou um pato, que rondava em muita confusão e solidão. Como não havia água por perto, a mulher pensou que o pato havia sido deixado por conta própria ali. Felizmente, ela sabia a quem ligar para ajudar o animal.

Alyssa Barry, da organização Alyssa’s Animal Sanctuary, comentou que o pássaro – uma fêmea – é um pato pequinês, portanto não pode voar; isso tornava ainda mais estranho que o animal não estivesse perto da água.

Alyssa’s Animal Sanctuary

“A mulher viu que a pata estava parada perto da porta [do supermercado], perto das pessoas, como se quisesse alguém para ajudá-la. E quando percebeu que o pato tinha dificuldade para andar e mancava feio, resolveu nos chamar.”, conta Alyssa Barry, fundadora do santuário.

Depois que a pata – batizada de Keeper – foi levada a um centro médico para exame, os veterinários descobriram que a pequena tinha uma ‘perna de pombo’, uma condição que a faz andar com as pernas voltadas para dentro. Certamente esse foi o motivo pelo qual a abandonaram.

Mas esse não era o único problema de Keeper, os veterinários e tratadores logo perceberiam: ela também tinha problemas para nadar.

“Quando suas penas ficaram molhadas, a água não escorreu de sua plumagem como deveria, mas absorveu a água e ficou completamente encharcada, então sua capacidade de flutuar e ficar em cima da água tornou-se difícil para ela. Ela mexia as pernas e uma colidia com a outra, o que a fez dar sinais de estresse, por isso a tiramos da água. Ela rapidamente aprendeu que não poderia usar nossa grande piscina.”, completa Alyssa ao The Dodo.

Acontece que Keeper nasceu sem sua glândula uropígea, que todas as aves possuem e que é responsável por secretar óleos para impermeabilizar sua plumagem. Ela não sabia nadar com seus colegas e isso a deixava triste, mas o pessoal do santuário não iria desistir tão cedo.

Alyssa’s Animal Sanctuary

Alyssa foi ao supermercado e encontrou uma enorme boia alegórica, é claro, em forma de pato. Ela o comprou e, depois de algumas aulas e um pouco de tentativa e erro, ensinou Keeper a como usá-lo e logo ela se tornou uma nadadora profissional.

“Ela aprendeu muito rapidamente que pode se equilibrar perfeitamente na boia e queria usá-la. Demorou apenas alguns minutos para ela perceber que agora ela podia estar na piscina com sua família, então ela estava muito feliz e ficou lá o dia todo (…). Acho que ela finalmente pôde sentir que fazia parte de uma família de patos de novo”, conta Barry emocionada.

Alyssa’s Animal Sanctuary

Keeper pode ser um pouco diferente dos outros patos, mas graças à sua linda boia, ela pode fazer tudo o que eles fazem… só que com muito mais estilo!

Alyssa’s Animal Sanctuary

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.