Para o seu cérebro maratonar séries promove o mesmo tipo de prazer de usar drogas ou até de fazer sex*.

O aumento da dopamina daria uma resposta cerebral do tipo: 'Isso é bom, você deve continuar fazendo isso!'

Sempre que uma matéria é publicada ou que um texto de opinião é divulgado, preocupo-me em ressaltar a importância de sua leitura crítica.

Por leitura crítica entendo que devemos conhecer os fatos e os posicionamentos de terceiros para ampliar nossos olhares e ter informações que nos ajudem a lapidar nossas próprias opiniões. Ou seja, nada do que é lido deve imediatamente ser entendido como uma verdade absoluta. As verdades são fruto de eterna construção.

No ano passado, por exemplo, nós publicamos uma matéria que, baseada em resultados de pesquisas, afirmava que Assistir séries sem parar seria um sinal de depressão e solidão. Hoje, entretanto, trazemos a fala da psicóloga Renee Carr que, em entrevista a NBC News, afirmou que ‘maratonar’ séries faz com que o nosso cérebro produza mais dopamina e nos dê mais prazer.

Durante a entrevista, a psicóloga explicou que o aumento da dopamina daria uma resposta cerebral do tipo: ‘Isso é bom, você deve continuar fazendo isso!’. Logo, quando você permanece assistindo suas séries, seu cérebro envia sinais de prazer semelhantes ao das drogas.” E é isso que pode causar sintomas de dependência. É aquela coisa: sinto prazer e quero mais e mais. O nossos corpo, então, permanece onde se sente bem pelo maior tempo que consegue- e aí vamos nós nas intermináveis maratonas de séries!

Então, agora sabemos que as séries promovem prazer, mas que também podem levar a dependência, fato que identificamos através do gradativo afastamento social, diminuição de horas de sono e outras perdas qualitativas na rotina da pessoa que se torna dependente.

Logo, o segredo é  ter consciência do risco da dependência e estabelecer limites para as “maratonas” assim como nós devemos ter limites para outros atos de nossas vidas que promovem prazer e que podem causar prejuízos às nossas vidas se praticados em excesso.

Lembrem-se que as séries são programas seguros, que trazem cultura e ativam em nosso cérebro uma conexão empática com os personagens que nos permitem olhar o mundo de maneira mais ampla e enriquecida de pontos de vistas diversos. Ou seja, séries são tão boas que chegam a viciar.

Para saber se você está exagerando, observe se você está abrindo mão de outros aspectos da sua vida que você gosta muito, mas deixou de fazer por falta de tempo.

Do mais, aproveite!

Editorial CONTI outra

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Josie Conti
É idealizadora e administradora do site CONTI outra. Psicóloga formada há 16 anos, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de formação e atuação como educação, clínica, recursos humanos e saúde do trabalhador. Hoje, utiliza o conhecimento adquirido para seleção de pessoal e de material adequado aos sites com que trabalha. Teve um programa diário, o CONTI oura, na rádio 94.7 FM de Socorro. Atualmente realiza vídeos, palestras, entrevistas, e escreve para diversos canais digitais. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Possui mais de 10 milhões de usuários fidelizados entre seus seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Em 2017, foi convidada para falar sobre conteúdo de qualidade no evento “Afiliados Brasil” de São Paulo, à convite da Uol, pois o CONTI outra foi considerado um dos melhores sites de conteúdo ligados a empresa.