Pai que perdeu o filho faz relato comovente: “Abrace seus filhos. Não trabalhe até tarde”

JR Storment perdeu repentinamente um de seus filhos gêmeos, o pequeno Wiley, de 8 anos. E a partir desta experiência trágica, ele escreveu um emocionante relato: “Abrace seus filhos. Não trabalhe até tarde demais. Quando não tiver mais tempo, você vai se arrepender de muitas das coisas para as quais você provavelmente está se dedicando. Você tem agendado regularmente um tempo com seus filhos? Se há alguma lição a tirar disso, é para lembrar aos outros (e a mim) a não perder as coisas que importam.

REDAÇÃO CONTI outra

A vida às vezes encontra meios cruéis para nos proporcionar ricos ensinamentos. E este é o caso do americano JR Storment, um pai que perdeu repentinamente um de seus filhos, o pequeno Wiley, de 8 anos, e descobriu que há momentos que são preciosos demais para deixar passar em branco. Storment era um pai que, como muitos, trabalhava demais e não tinha muito tempo livre para desfrutar com os filhos. Há alguns dias, ele redigiu um emocionado relato, contando sobre a perda de um dos seus bens mais preciosos, na intenção de abrir os olhos de outros pais para uma urgente necessidade: “Abrace seus filhos. Não trabalhe até tarde”.

Confira, abaixo, o relato de JR Storment, “É mais tarde do que você pensa”, que vêm fazendo muitas pessoas refletirem sobre suas próprias vivências com aqueles que amam.

É mais tarde do que você pensa

“Oito anos atrás, no mesmo mês, eu me tornei pai de gêmeos e, ao mesmo tempo, cofundei minha empresa, a Cloudability. Há cerca de três meses, a Cloudability foi vendida.

Há cerca de três semanas, perdemos um de nossos meninos. Quando recebi a ligação, estava sentado em uma sala de conferências com 12 pessoas em nosso escritório em Portland, falando sobre políticas de banco de horas para funcionários. Minutos antes, admiti ao grupo que, nos últimos 8 anos, não havia tirado mais do que uma semana contínua.

Minha esposa e eu concordamos que, quando um de nós liga, o outro responde. Então, quando o telefone tocou, levantei-me e caminhei até a porta da sala de conferências imediatamente.

Eu ainda estava saindo pela porta quando respondi com ‘Ei, o que foi?’.
Sua resposta foi gelada e imediata: ‘JR, Wiley se foi’.
‘O quê?’, eu respondi incrédulo.
‘Wiley se foi’, ela reiterou.
‘O que?! Não’, eu gritei.

‘Sinto muito, tenho que ligar para o 911.’

Essa foi toda a conversa. A próxima coisa de que me lembro sou eu voando pela porta da frente do escritório com as chaves do carro na mão, correndo ferozmente pela rua e esbravejando. No meio do quarteirão, percebo que não tenho o controle da minha garagem. Correndo de volta para o saguão, eu quase grito: ‘Alguém me leva! Alguém dirige!’. Felizmente, um colega prestativo atendeu ao pedido.

Quando cheguei em casa, doze minutos depois, a vila em que moramos estava cheia de veículos de emergência. Eu corri para a nossa porta, que estava aberta, e fui direto para o quarto que os meninos dividiam. Meia dúzia de policiais parou na minha frente, bloqueando o caminho. Quando uma criança falecee repentinamente, aquilo se torna uma cena de crime em potencial. Foram duas horas e meia dolorosas antes que eu pudesse ver meu garoto. Depois de uma hora de espera, em choque, disse aos policiais armados que não podia esperar mais. Eles me permitiram espiar pela janela de vidro. Ele estava deitado em sua cama, com as cobertas ordenadas. Parecia que estava dormindo pacificamente.

Quando o médico legista finalmente terminou seu trabalho, fomos autorizados a entrar na sala. Uma calma estranha tomou conta de mim. Deitei ao lado dele, na cama que ele amava, segurei sua mão e continuei repetindo: ‘O que aconteceu, amigo? O que aconteceu?’. Ficamos ao lado dele por cerca de trinta minutos e acariciamos seus cabelos, antes que voltassem com uma maca para levá-lo embora. Fui com ele, segurando sua mão e sua testa, enquanto descíamos pela garagem. Então, todos os carros foram embora. O último a sair foi a minivan preta com Wiley.

Wiley estava obcecado em começar um negócio. Um dia, era um stand de smoothie; no outro, uma empresa de headset, um codificador e uma empresa de construção de naves espaciais. Em cada um desses cenários, ele era o chefe. Seu irmão (e, às vezes, nós) era convidado a trabalhar para ele — não ‘com’ ele — e cada um recebeu uma função. Por volta dos 5 anos, Wiley decidiu que se casaria quando fosse adulto. Aos 6, ele afirmava que havia identificado a garota, de quem segurava a mão no recreio, desde o primeiro dia do jardim de infância. Nos dois anos seguintes, quando nos mudamos de Portland para Londres e para o Havaí, ele manteve contato com ela por cartas escritas à mão.

Um dos incontáveis momentos difíceis deste mês foi assinar sua certidão de óbito. Ver o nome dele escrito em cima foi difícil. No entanto, dois campos abaixo do formulário me esmagaram. O primeiro dizia: ‘Ocupação: nunca trabalhou’ e o seguinte: ‘Estado civil: nunca se casou’. Ele dizia que queria tanto fazer as duas coisas. Sinto-me feliz e culpado por ter tido sucesso em cada um. Minha esposa me lembra constantemente de todas as coisas que ele fez: Wiley foi para dez países, dirigiu um carro em uma estrada agrícola no Havaí, caminhou na Grécia, mergulhou de snorkel em Fiji, usava terno para uma fantástica escola preparatória britânica todos os dias, foi resgatado de um tubarão em um jet ski, ficou bom o suficiente no xadrez para me bater duas vezes seguidas, escreveu contos e desenhou quadrinhos obsessivamente. E, então, ele morreu em sua cama durante a noite.

A noite anterior foi normal. Wiley estava saudável e comprometido. Recebemos amigos com crianças no jantar. Todos nós pulamos no trampolim gigante que havia sido a primeira aquisição da casa para a qual mudamos há algumas semanas. Naquela noite, Wiley foi mandão com as outras crianças (além de sua mãe, ele era uma das pessoas mais opinativas que eu conheço) e começou a dizer a todos que estavam jogando errado. Eu o puxei para o lado. Eu era severo com ele. Muito severo, lembrando agora. E eu o fiz chorar. É uma das últimas interações que tivemos. Ainda vejo as lágrimas escorrendo pelo rosto e os protestos de ‘Mas você não está me ouvindo. Ninguém me escuta’.

Algumas horas depois, as coisas se acalmaram. Wiley comeu sua refeição favorita. Então, colocamos as crianças na cama. Eu tive um momento muito doce com Wiley na hora de dormir e pedi desculpas por fazê-lo chorar. Tivemos um bom aconchego e eu fui para a cama. Cerca de quinze minutos depois, eu estava deitado na cama e, no quarto escuro, vi sua forma — sempre incrivelmente alta e magra para a idade dele — subindo as escadas para o nosso quarto: ‘Papai, eu não consigo dormir’. Havia música alta tocando em uma festa na casa de um vizinho e isso o mantinha acordado. Eu o acompanhei de volta ao seu quarto e fechei todas as janelas. Ele disse que estava melhor. Tivemos outro momento doce. Então, fui para a cama.

Por volta das 5h40 da manhã seguinte, acordei para uma série de reuniões consecutivas. Fiz uma viagem ao Peloton, recebi uma ligação de analista do meu escritório em casa, uma com um colega no caminho para o trabalho e depois no escritório. Ninguém parece tão importante agora. Saí naquela manhã sem me despedir ou olhar os meninos. No final da manhã, Jessica pensou que Wiley estava simplesmente dormindo. Ele adorava dormir, ele amava sua cama e tinha sido uma semana longa, dormindo tarde, com atividades diurnas divertidas e com visitas. Eventualmente, ela teve a sensação de que havia passado muito tempo e entrou para checá-lo. Ele estava gelado. Mais tarde, o médico legista calculou que ele tinha falecido há pelo menos 8 ou 10 horas quando ela o encontrou, indicando que ele faleceu no início da noite.

No ano passado, Wiley foi diagnosticado com uma forma tipicamente leve de epilepsia chamada Epilepsia Rolandic Benigna, que é mais comum em meninos entre 8 e 13 anos. Normalmente , ela se resolve sozinha na adolescência. Em Wiley, era leve: só vimos uma única convulsão confirmada. Isso aconteceu cerca de 9 meses atrás, enquanto visitávamos Portland do Reino Unido. Todos os múltiplos pediatras e neurologistas com quem discutimos sua condição disseram que havia pouco com o que se preocupar. Ele tinha o “melhor” tipo de epilepsia.

O falecimento súbito de Wiley como consequência da epilepsia pode estar ligado a uma convulsão, ou o cérebro dele pode ter simplesmente desligado. Estatisticamente, era altamente improvável que atingisse nosso filho: 1 em 4.500 crianças com epilepsia é afetada. Às vezes, você acaba com a estatística. Muitos perguntaram o que podem fazer para ajudar. Abrace seus filhos. Não trabalhe até tarde demais. Quando não tiver mais tempo, você vai se arrepender de muitas das coisas para as quais você provavelmente está se dedicando. Você tem agendado regularmente um tempo com seus filhos? Se há alguma lição a tirar disso, é para lembrar aos outros (e a mim) a não perder as coisas que importam.

Ainda não voltei ao trabalho. Portanto, se você me enviou um e-mail ou uma mensagem, é provável que eu não tenha respondido. Quando eu voltar, posso acabar declarando falência por e-mail. A grande questão é como voltar ao trabalho de uma maneira que não me deixe novamente com os arrependimentos que tenho agora. Para ser sincero, considerei não voltar. Mas acredito nas palavras de Kahlil Gibran, que disse: ‘Trabalho é amor tornado visível’. Para mim, essa linha é uma prova de quanto ganhamos, crescemos e oferecemos com o trabalho que fazemos. Mas esse trabalho precisa ter um equilíbrio que raramente vivi. É um equilíbrio que nos permite oferecer nossos presentes ao mundo, mas não à custa de nós mesmos e da nossa família.

Enquanto eu escrevia este post, meu filho vivo, Oliver, veio pedir tempo na tela. Em vez de dizer o habitual ‘não’, parei de escrever e perguntei se poderia brincar com ele. Ele ficou surpreso com a minha resposta e nos conectamos de uma maneira que antes eu teria perdido. Pequenas coisas importam. Um aspecto importante dessa tragédia é o melhor relacionamento que tenho com ele. Nossa família deixou de ter duas unidades de dois (os pais e os gêmeos) e passou a ser um triângulo de três. Esse é um grande ajuste para uma família que sempre teve quatro cantos.

Aprendi a parar de esperar para fazer o que as crianças pedem. Quando vendemos o negócio, dei a cada um dos meninos uma nota de US$ 100. Eles decidiram juntar seu dinheiro para comprar uma barraca para acampar. Mas não fizemos isso acontecer antes do falecimento de Wiley. Outro arrependimento. Então, após a primeira rodada de visitas da família com a partida dele, levei Jessica e Oliver para comprar equipamentos e saímos da cidade rapidamente para acampar. De alguma forma, chegamos sem dinheiro suficiente para cobrir a taxa do acampamento e tivemos um leve pânico. Jessica então percebeu que a nota de US$ 100 de Wiley ainda estava no bolso. No fim, ele gastou seu dinheiro com o acampamento. Coletivamente, a família disse um grande: ‘Obrigado, amigo’, em voz alta, para ele. Foi um dos muitos momentos agridoces que passamos em toda a nossa vida.
Como minha esposa escreveu: ‘Por favor, pergunte-nos sobre a vida e o falecimento do nosso filho. Nós nos curamos em pequenos pedaços enquanto conversamos sobre isso’. Dessas cinzas, surgiram muitas conexões novas e restauradas. Espero que a partir desta tragédia você considere como prioriza seu próprio tempo.”

***

Redação CONTI outra. Com informações de Revista Crescer

Imagem- reprodução

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.