A Justiça proibiu um homem de ver os próprios filhos devido ao seu hábito de usar fraldas adultas. A decisão foi despachada por um tribunal da família australiano a partir de uma ação movida pela mãe das crianças.

Antes mesmo da separação do casal, a mãe das crianças já sabia que o homem tinha o costume de usar fraldas. No entanto, ela alega que a situação saiu completamente de controle após a separação.

Em 2019, o réu, que não foi identificado por razões legais, chegou a buscar os filho com a fralda que usava “parcialmente à mostra”, conforme informação apresentada nos autos.

A decisão judicial foi emitida no ano passado e contestada através de recurso, o qual acabou rejeitado pela juíza Hilary Hannan no último dia 13 de abril por não abordar “satisfatoriamente as questões de risco”.

De acordo com a magistrada, é inevitável que as crianças acabem expostas ao hábito do pai, o que poderia afetá-las negativamente: “Tenho grandes reservas e, em última análise, não aceito que o pai tenha uma vontade ou capacidade autêntica de negar o envolvimento nos comportamentos em questão e em suas conexões com a comunidade”, afirmou.

Depois de proferida a sentença, a equipe jurídica da mãe das crianças classificou a decisão do tribunal como um “marco”.

***
Redação Conti Outra, com informações de R7.
Foto destacada: REPRODUÇÃO/CCBY/WHOISJOHNGALT — 16/05/2021

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.