Evgeny Anisimov é um russo de 33 anos e pai solteiro de Misha, seu filho, que foi diagnosticado com Síndrome de Down pelo médico dois minutos depois de seu nascimento.

Após a confirmação através de exames médicos, o pai inicialmente ficou intrigado, mas se acalmou pensando que nada havia realmente mudado, ele e sua esposa haviam decidido ter um filho e deveriam assumir a responsabilidade por ele.

No entanto, a sua esposa não conseguia ver o mesmo cenário positivo e devido ao medo de querer deixar o recém-nascido num centro de acolhimento para menores, Evganey comentou numa entrevista ao Bored Panda “Tentei convencê-la de que poderíamos ultrapassar esta situação juntos, mas o conflito acabou nos separando”.

Além disso, Evgeny comentou “Em nenhum momento pensei em deixar meu filho em um orfanato, isso seria desumano” e foi quando ele procurou informações para aprender mais sobre a Síndrome de Down e embora isso representasse vários desafios, ele sabia que poderia alcançá-los.

Com esta nova circunstância, Evgeny comentou como a sua vida mudou “Tive um bom emprego em Moscovo e foi uma grande viragem na minha carreira, mas não podia deixar o meu filho. Ele precisava de amor e carinho. Agora sou um trabalhador normal, mas tenho um salário normal na minha cidade. Perdi minha esposa, mas estou feliz com as mudanças. Meu filho é um menino muito bom e aberto como qualquer outra criança da idade dele, ele me ama e isso transparece ”.

Apesar de ter adquirido muita experiência na parentalidade e receber ajuda da mãe, Evgeny comentou “Recomendo que todos os maridos ajudem as suas esposas porque ser pai é muito interessante, mas também é muito difícil”, pois reconhece as complicações de manter-se em casa, trabalhar, fazer a rotina do bebê e realizar atividades diárias além de aulas de natação e fonoaudiologia.

Evgent está muito feliz por ter conseguido um equilíbrio entre todas as tarefas e embora saiba que no futuro poderá ter alguns problemas, tem a certeza que conseguirá superá-los todos. E por isso, incentiva outras pessoas que passam por situações semelhantes a sua, a não abandonarem seus filhos com Síndrome de Down, pois infelizmente ainda existe muito desconhecimento sobre esse diagnóstico e muitas pessoas no mundo optam por essa alternativa.

Além disso, Evgent espera inspirar outras pessoas e aumentar a conscientização sobre a Síndrome de Down e enfatiza que “Estar com meu filho, mesmo sozinho, é um ato normal de um homem normal. Eu não sou nenhum tipo de herói. ”

***
Redação Conti Outra, com informções de Nation.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.