O que você espera de 2020?

Fale a verdade: você também adora uma simpatia e muitas mensagens com desejos de um próspero ano novo, cheias de lindas frases e carinho sincero, não é?

CONTI outra

Vamos entrar na terceira década deste século e milênio! Muitas expectativas estão sendo criadas – o ser humano é um otimista crônico, sempre acha que tudo vai melhorar no ano seguinte – e uma série de rituais vão acontecer na virada do ano para tentar fazer com quê o que se deseja realmente aconteça.

Fale a verdade: você também adora uma simpatia e muitas mensagens com desejos de um próspero ano novo, cheias de lindas frases e carinho sincero, não é? Pois saiba um pouco mais sobre a origem disso tudo e conheça mais algumas curiosidades sobre o tema.

Origens


Quem acredita que é algo recente está muito enganado. Tudo começou na antiga Mesopotâmia – lembra das aulas de história e geografia? – quando se festejava o início da primavera e, assim, o começo da época de fartura, com as colheitas.

O calendário atual ainda não havia sido criado e implementado pelos cristãos, de modo que a festa acontecia sempre no final do mês de março, nos dias 22 e 23. O imperador romano Julio César decretou o início do novo ano em 1º de janeiro apenas em 46 A.C. Em seguida, o atual calendário Gregoriano foi adotado como principal em quase todo o mundo.

Variações

Alguns povos mais antigos, no entanto, ainda hoje seguem calendários diferentes. Os judeus começam a contar os anos a partir do Êxodo, em 1.447 A.C. Atualmente, se está no ano 5.779. Já os chineses utilizam cálculos que envolvem as trajetórias da Lua e do Sol, fazendo com que, para eles, o mundo viva o ano 4.717.

Há ainda mais alguns modos diferentes de se contar a passagem do tempo, como no caso dos Islâmicos, dos Juches, dos Etíopes e dos Maias, dentre os mais conhecidos e tradicionais.

Simpatias

O novo ciclo de tempo está sempre associado à prosperidade – conceito advindo da agricultura, principio da festa – e, no ocidente, após a modernidade, teve agregado também os desejos de paz, união e felicidade. No Brasil, somou-se a onipresença da cor branca – incorporada das religiões africanas – para simbolizar estes anseios.

A esperança de que tudo melhore vem acoplado às promessas de aumento da quantidade de dinheiro no bolso. Não faltam simpatias que se referem ao fato. Cor da roupa íntima amarela, comer lentilha ou uvas verdes à meia noite e, até mesmo, o champanhe.

Cada povo que formou a sociedade brasileira contribuiu com um aspecto da festa. Os italianos com a lentilha, os espanhóis com as uvas, os franceses com a bebida, os africanos com as oferendas ao mar, e os portugueses com os mais diversos pratos da ceia do Réveillon.

O brasileiro, místico por natureza, acabou somando todos estes rituais e realiza uma miscelânea de superstições com a desculpa de “sem bem não fizer, mal também não fará”.

E todo pulam 7 ondas, vestem as cores associadas aos seus desejos, distribuem beijos, bebem e fazem muita festa à meia noite do dia 31 de dezembro.

Mensagens principais

Se você cresceu vendo seus pais e avós distribuindo cartões de natal e ano novo, e adora a tradição – que continua a existir em diversos países do mundo – relembre algumas belas mensagens e dê continuidade á prática.

Inimaginável!

Prepare-se para um ano muito melhor do que você imagina!

Paz para todos!

Desejo 365 dias de paz!

Mudanças!

Nada muda se você não mudar! Deseje mudança no próximo ano!

Inovação!

Que não te falte paixão em nenhum momento de sua vida.
Aproveite cada momento, torne cada um único e inesquecível.
Cultive seus amores, suas amizades.
Seja feliz, e faça alguém feliz.
Ame sem ter medo!

 

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.