O “pote rachado”, uma história hindu para quem quer aprender a se olhar

Eis a história de um camponês que, para viver, vendia água para o mercado. Ele tinha cerca de dez jarros. Todos os dias, e muito cedo de manhã, ele colocava uma vara nas costas. Em cada extremidade estava suspenso um jarro; ele os levava para o poço e depois para o centro da aldeia. No entanto, no meio de todos esses potes havia um que estava rachado.

Curiosamente, esse trabalhador sempre pegou o pote rachado para fazer sua primeira viagem do dia.

Seguia para o poço a dois quilômetros de distância, levando sempre um pote em perfeito estado e mais esse rachado, um em cada extremidade de uma vara que carregava atravessada em seus ombros.

Ele coletava pacientemente o líquido e o transportava por mais por esse percurso até a aldeia.

“O que é útil é o que nos dá felicidade.”

-Auguste Rodin-

É claro que, quando ele chegava ao mercado, o pote rachado havia perdido uma grande quantidade de água que estivera carregando. Como resultado, o agricultor só poderia alcançar metade do que foi acordado. No entanto, o pote em bom estado funcionava perfeitamente e permitia-lhe ganhar todo o dinheiro que estava previsto.

O sentimento vergonhoso do pote rachado

Rapidamente, os outros potes começaram a falar sobre a situação entre eles. Eles não entendiam por que o homem ainda estava utilizando o pobre recipiente danificado, porque insistia em perder dinheiro todos os dias. Não havia sentido nisso, sendo que o carregador de água tinha vários outros potes em boas condições a sua disposição.

Além disso, o pote rachado passou a se envergonhar da sua condição. Ele fora utilizado por mais de dez anos, sempre desempenhou perfeitamente a função a qual era destinado, até o dia em que lhe apareceu aquela fissura por onde a água vazava. Era agora um inútil, um imprestável, e lhe amargurava saber que o parceiro só se valia dele por pura piedade. Isso não estava certo, não era justo o homem ter seus ganhos diminuídos por sua causa.

Na horas de repouso, gastava seu tempo contando aos potes mais jovens as suas aventuras de pote experiente, de quando era saudável e conseguia fazer o trajeto sem desperdiçar uma gota de água sequer. Os outros o ouvia atento, mas com pesar, não entendiam por que o homem das águas insistia em botar o velho pote rachado na atividade diária. Com tantos recipientes jovens e saudáveis, por que não descartava de vez o pobre inútil?

O caminho da água

O homem persistia nesse costume e ignorava os questionamentos da turma. As vezes até ria, sem nada dizer. “Por certo, enlouquecera”, comentavam com preocupação, ainda mais quando a reação do camponês era só a de apenas sacar farelos dos bolsos e espalhar pelo caminho. O que era aquilo? restos de pão? areia? que dó! o pobre humano deveria estar mesmo perdendo o juízo.

Porém, as demais coisas pareciam normais. As idas ao poço, o trajeto feito como sempre fora e o abastecimento das casas. Apenas a insistência em dar serviço ao velho pote rachado continuava ser a coisa sem sentido no dia a dia deles, pois até a nova mania de espalhar farelos pelo caminho o homem abandonara.

Uma bela moralidade

Certa noite, enquanto o fazendeiro se preparava para descansar, o pote quebrado chamou-o e disse que precisava conversar com ele. O homem ouviu-o então, muito atento ao que o pote queria lhe dizer. Este último, sem preâmbulo, disse-lhe o que tinha em mente. Ele disse que gostava do que fazia, mas não se sentia confortável sabendo ser ele um pote inútil. Não queria que o camponês o preservasse por compaixão. Melhor seria que o jogasse no lixo e acabasse com essa angustia de uma vez por todas.

O camponês sorri enquanto escuta. Confessa que nunca passou pela sua cabeça a ideia de se desfazer do velho companheiro. Ele lhe disse que nunca pensara em jogá-lo fora porque, na verdade, era muito útil para ele. “Útil?”, Perguntou o pote. Como ele poderia ser útil se estavam perdendo dinheiro todos os dias? O homem pediu-lhe para manter a calma. No dia seguinte, ele mostraria por que ele era tão valioso. O pote quebrado não conseguiu dormir.

No dia seguinte, como prometido, o camponês lhe disse: “Peço, por favor, que observe tudo de cada lado da estrada até o poço”. O pote foi extremamente atencioso. Ele olhou para os dois lados, mas viu uma estrada agradável, cheia de flores. Quando chegaram ao poço, ele disse ao fazendeiro que não havia encontrado uma resposta nesta estrada.

O homem olhou para ele carinhosamente e disse: “Desde que você se rachou, eu estive pensando sobre a melhor maneira de continuar obtendo o máximo de você. Então decidi, de tempos em tempos, espalhar sementes pelo caminho. Graças a você, eu era capaz de regá-las todos os dias. E, graças a você, uma vez que tudo floresceu, posso escolher algumas plantas e vendê-las no mercado, a um preço superior ao da água “. O pote rachado, muito comovido, entendeu qual a sua preciosa missão.

Via Revista Pazes. Reproduzido com autorização.

Imagem de capa: Reprodução

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.

COMENTÁRIOS