O mundo está povoado de gente desinteressante

Uma amiga reclama, cansei, não suporto mais gente idiota, homem que não sabe conversar, o mundo está cheio de gente vazia, povoado de gente desinteressante, “pra mim chega”.

Uma amiga reclama, cansei, não suporto mais gente idiota, homem que não sabe conversar, o mundo está cheio de gente vazia, povoado de gente desinteressante, “pra mim chega”.

Minha amiga não aguenta mais tanta gente clichê que faz a mesma coisa, conversa o mesmo assunto, tem a mesma atitude.

Ela diz mais, “os caras não querem te envolver, não sabem se envolver, não sabem escutar, conversar, querem ir direto ao ponto, se conseguem, some, se não conseguem, ficam com raiva, todos idiotas pretensiosos e sexistas”.

Segundo ela as pessoas não sabem mais sentir, querem se exibir, se mostrar, parecem todas iguais, estão todas nas redes sociais se mostrando.

“Ninguém tem mais segredo, mistério, é todo mundo muito comum demais, falta originalidade, autenticidade, alguém que te cative não apenas para fazer sexo, mas pra te envolver, te fazer sentir e te deixar sonhando”.

É tudo fachada, ela diz, quando você pensa que uma pessoa é interessante, quando vai conversar, ter contato, conviver, percebe que é mais um idiota, babaca e arrogante. Chega.

“O cara se mostra pelas redes sociais para construir uma imagem falsa, mas não é nada aquilo que posta, publica, não dá mais, não aguento mais”, ela diz.

Minha amiga vai completar 36 anos, mas diz-se conformada com a solidão, tem muitos amigos, uma vida social normal, mas relacionamento é coisa que não passa pela sua cabeça, não entende mais como ser isso algo possível.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Ronaldo Magella
Ronaldo Magella é da Paraíba, Santa Luzia, professor, jornalista, radialista, cronista, poeta, já publicou três livros de crônicas e tem participação em outras cinco antologias literárias. Formado em Jornalismo e Letras pela Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB. Solitário e tomador de café, gosta da vida pelo improviso, se cansa da monotonia, e brinca com o tédio escrevendo.