Kaavan, um elefante que vivia em um zoológico no Paquistão, era considerado “o elefante mais solitário do mundo”, tendo ficado trancado por 35 anos, sendo 8 deles em completa solidão.

Seu estado preocupou a muitos, pois ele estava visivelmente deprimido e era muito agressivo com seus cuidadores. Finalmente, a pressão de organizações de direitos dos animais fez com que Kaavan fosse transferido para um santuário de elefantes no Camboja, onde ele poderia viver com outros de sua espécie em condições muito melhores e, portanto, não se sentir tão sozinho.

Sua chegada ao Camboja não poderia ter sido melhor, relata o Daily Mail. Um vídeo o mostra conhecendo Di Poh, outro elefante do santuário, com quem desde o início soube se relacionar bem; é seu primeiro amigo em muito tempo.

“Primeiro contato com um elefante em oito anos; este é um momento muito importante para Kaavan. Ele finalmente terá a chance de viver uma vida tranquila perto de sua espécie. Ele tem um grande futuro pela frente”., disse Martin Bauer, porta-voz da organização dos direitos dos animais Four Paws, para o Daily Mail.

Além disso, funcionários do Santuário de Vida Selvagem Kulen Promtep afirmam que Kaavan se acostumou muito com o meio ambiente, sendo visto brincando com o balanço e se cobrindo de terra e lama.

Por outro lado, dizem que os elefantes do santuário também terão que se acostumar com Kaavan , pois ainda têm um pouco de susto devido ao seu grande tamanho , principalmente os três exemplares fêmeas.

E enquanto o elefante aproveita sua nova vida longe do confinamento e da solidão, o zoológico que o hospedava no Paquistão está enfrentando um destino totalmente diferente: em breve será fechado devido à sua infraestrutura e condições precárias.

Quão irônica é a vida, não é mesmo?
***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Fotos: AFP/AP.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.