Novo medicamento contra Alzheimer apresenta potencial real na redução do declínio cognitivo

Os resultados dos testes do medicamento desenvolvido pela farmacêutica Eli Lilly representam um grande avanço para o tratamento de uma doença que atualmente afeta cerca de 1,2 milhões de brasileiros e mais de 35,6 milhões de pessoas no mundo.

CONTI outra

A farmacêutica Eli Lilly acaba de demonstrar a eficácia do seu medicamento para Alzheimer, donanemab, em testes clínicos da fase 2 em humanos.

Os resultados são um grande avanço para o tratamento de uma doença que atualmente afeta cerca de 1,2 milhões de brasileiros e mais de 35,6 milhões de pessoas no mundo.

O Alzheimer é causado pelo acúmulo de estruturas da proteína tau, chamadas placas. Uma dessas placas, chamada beta-amilóide, é a principal culpada pela doença neurodegenerativa.

O anticorpo experimental Donanemab foi testado em um ensaio com 272 pacientes com Alzheimer em estágio intermediário para reduzir significativamente o declínio clínico em 32% ao longo de 18 meses, visando um tipo de beta-amilóide conhecido como N3pG.

Vários marcadores, como cognição e melhor função cerebral, foram considerados positivos, embora outros não tenham mostrado melhora.

Os pacientes foram trocados de donanemab por um placebo depois que os níveis de beta-amilóide voltaram aos de uma pessoa saudável, um processo que levou apenas alguns meses em alguns participantes.

“Estamos extremamente satisfeitos com essas descobertas positivas para donanemab como uma terapia potencial para pessoas que vivem com a doença de Alzheimer, a única causa principal de morte sem um tratamento que retarda a progressão da doença”, disse Mark Mintun, MD, vice-presidente da Eli Lilly.

Um efeito colateral de inchaço do cérebro, conhecido como ARIA-E, ocorreu em 27% dos pacientes tratados com donanemab, disse a empresa. No entanto, o Alzheimer não tem cura e é fatal, então geralmente esses efeitos colaterais são mais tolerados pelas regulamentações do FDA, uma vez que não há outras opções para os pacientes.

“A doença de Alzheimer é uniformemente fatal… Acho que esse perfil de segurança combinado com esse perfil de eficácia é algo que nos deixa entusiasmados”, disse Daniel Skovronsky, diretor científico da Lilly, à Reuters.

Um segundo ensaio com 500 participantes está sendo organizado com a esperança de que os efeitos possam ser replicados.

***
Redação Conti Outra, com informações de Good News Network.
Foto destacada: reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.