Nova Zelândia doará absorventes a todas as suas alunas. Mais acesso e menos tabus!

Foi realizado um estudo no qual se revelou que uma em cada 12 jovens faltava à escola por causa do período menstrual, seja por vergonha, por falta de artigos ou por falta de conhecimento. Foi aí que a primeira-ministra Jacinda Ardern decidiu ajudá-los.

CONTI outra

Por mais que o tempo tenha passado e as discussões tenham evoluído, menstrução ainda é um assunto “tabu” em nossa sociedade. Além disso, há mulheres que encontram obstáculos na hora de adquirir esses itens de higiene feminina, como absorventes, principalmente quando são adolescentes e não há muitas informações sobre isso.

Esse problema foi identificado pelo governo da Nova Zelândia, liderado pela primeira-ministra Jacinda Ardern. A partir daí, surgiu um programa piloto para ajudar no acesso a produtos de higiene feminina para jovens mulheres no país.

De acordo com o The Guardian, o programa beneficiará 3.200 jovens de 15 escolas da região. “Queremos uma melhor participação, aprendizagem , menos jovens faltando à escola devido à menstruação e menos dificuldades financeiras entre as famílias”, explicou o primeiro-ministro.

A Ministra da Mulher, Jan Tinetti, explicou que muitas jovens sentem medo ou vergonha de ir às escolas durante os dias menstruais porque havia falta de conhecimento e às vezes se sentiam “presas” por não ter os produtos corretos.

Por sua vez, Ardern especificou que “quase 95.000 jovens de nove a 18 anos podem ficar em casa durante a menstruação porque não podem pagar pelos produtos da época”.

Uma ONG local, que se dedica ao fornecimento de produtos sanitários e de higiene para escolas, a Dignity, também passou a fazer parte da proposta. Sua co-fundadora, Miranda Hitchings, explicou ao The Guardian que “para os alunos, a falta de acesso aos produtos da época não apenas exacerba os sentimentos de vergonha e um peso financeiro de gênero, mas demonstrou aumentar o absenteísmo”.

A ideia foi criada pela própria Ardern, que está no comando desde 2017.

***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Fotos: Rádio Michigan /AP.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.