Notívagos: quando a madrugada não serve para dormir

Nem é preciso sair de casa, não se trata necessariamente de baladas, mas parece que, em algumas pessoas, o metabolismo simplesmente acende enquanto o dia vai embora e a noite chega, mesmo que para ficar em frente à televisão.

Quando procuramos significados para a palavra “notívago”, sempre encontraremos algo relacionado a quem possui hábitos noturnos. E muita gente é assim, do tipo que o que menos sente na madrugada é sono. Nem é preciso sair de casa, não se trata necessariamente de baladas, mas parece que, em algumas pessoas, o metabolismo simplesmente acende enquanto o dia vai embora e a noite chega, mesmo que para ficar em frente à televisão.

A madrugada e sua lua, desde sempre, inspira poetas, músicos e artistas, em geral, a produzirem suas obras, adentrando as horas da madrugada compondo, escrevendo, pintando, como se a escuridão e as sombras lhes motivassem a produzir luz, por meio de sua arte. Teve um tempo em que a programação dos canais de televisão encerravam suas atividades durante a madrugada, mas hoje os programas se estendem pelas vinte e quatro horas do dia, bem como existe uma rede de comércio que jamais fecha, empresas com turnos noturnos, e por aí vai.

Há estudos que dizem ser o organismo do adolescente peculiar, nesse sentido, uma vez que, nessa fase de crescimento e de amadurecimento, o corpo é mais lento nas primeiras horas do dia, ou seja, eles estão predispostos a dormir e a acordar mais tarde. Nesse ponto, portanto, percebe-se que muitas pessoas permanecem na adolescência a vida toda, pois, para elas, acordar cedo é um martírio, enquanto que varar a madrugada é tranquilo e natural.

Por outro lado, o cair da noite também pode nos trazer sentimentos desconfortáveis e medos que, durante o dia, parecem adormecidos – é como se o medo dormisse de dia e acordasse com tudo à noite. Existem pessoas com depressão, por exemplo, que veem suas angústias acentuarem ao cair da noite, como se o crepúsculo levasse, junto com a luz do sol, suas esperanças. Há, inclusive, a síndrome do entardecer, em pacientes com Alzheimer, pois, nesse período, eles tendem a ficar mais confusos.

Fato é que muitas pessoas amam a madrugada e sentem-se dispostas e motivadas a inúmeras atividades exatamente nessas horas em que muitos descansam e dormem. Há muitas coisas interessantes rolando nessas horas, tanto nas redes sociais, quanto nos canais televisivos, ou pelas ruas da cidade, entre os boêmios de plantão. Encontros furtivos, tramas complexas, planos de vida, vícios e prazeres compõem o imaginário popular quando nos referimos às horas escuras.

Seja para sair por aí, para se encontrar com quem se ama, seja para curtir a própria companhia, há muitas pessoas interessantes que fazem parte da tribo dos notívagos. Simplesmente porque a madrugada é composta de horas interessantes. Interessantíssimas.

Imagem de capa: marvent/shutterstock

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".É colunista da CONTI outra desde outubro de 2015.

COMENTÁRIOS