Nós não vemos as coisas como elas são

O grande objetivo de todos nós enquanto seres humanos é evoluir. Sairmos desse mundo um pouquinho melhores do que quando chegamos. Esse é o pensamento que move a minha vida em todos os sentidos.

Farei uma breve reflexão sobre isso a partir de uma frase bastante conhecida do Talmude, o livro sagrado dos judeus.

“Nós não vemos as coisas como elas são, mas como nós somos.”

Talmude

Essa frase é extremamente profunda e o seu cerne está ligado ao CONHECIMENTO. Quanto mais conhecimento nós vamos adquirindo, mais a nossa visão se expande e mais o nosso ser vai se tornando luminoso.

Porém, é preciso esclarecer algo de suma importância. Não se trata de conhecimento puramente acadêmico ou técnico, estou falando de AUTOCONHECIMENTO, este que nos torna mais humanos, mais solidários, mais amorosos, mais gentis, mais desapegados, mais compassivos etc.

O mundo está cheio de pessoas com uma imensa inteligência, mas totalmente voltada para a materialidade. Pessoas que utilizam seus cérebros maravilhosos em projetos que não beneficiam a maioria. Isso é triste e precisa mais do que nunca ser mudado.

Quero fazer parte do grupo das pessoas que utiliza a inteligência em prol da evolução espiritual das pessoas. Isso faz parte da minha missão de vida. Levei um certo tempo para descobrir, mas hoje estou convicto de que estou nesse mundo com esse propósito. Quero, a partir deste simples texto, lhe levar a refletir comigo sobre como está a sua visão de mundo nesse exato momento. Está estreita? Você tem buscado o autoconhecimento? Tem disponibilizado parte do seu tempo para fazer alguma atividade que eleve os pensamentos e o espírito tais como orações, meditações, leituras, yoga, relaxamentos, grupos de reflexão etc?

Esse é o caminho para se buscar a espiritualidade, ele sempre começa com a DISPOSIÇÃO de não ser 100% materialista. Esse é o primeiro e decisivo passo.

Se você é uma daquelas pessoas que sempre diz: “Não tenho tempo…”. Sinto lhe dizer, as suas prioridades certamente ainda estão muito voltadas para o lado material e tenho que dizer a verdade sem rodeios. Você vai sofrer! E o motivo é muito simples. Jesus Cristo e os grandes mestres sempre nos ensinaram isso.

A verdade é que o caminho mais adequado e que nos aproxima de Deus é o CAMINHO DO MEIO, ou seja, não ser 100% materialista nem 100% espiritualista. É preciso saber dosar isso, porém, quando você busca em primeiro lugar a espiritualidade, tudo o mais será acrescentado pouco a pouco.

Lembra as palavras de Jesus?

“Buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e tudo o mais vos será acrescentado.”

Essas são palavras de uma profundidade inimaginável. Acredite nelas e verá as maravilhas que começarão a surgir na sua vida e o quanto sua visão de mundo se expandirá…

Tem também uma linda frase do escritor canadense Lou Marinoff que complementa bem o que estou dizendo aqui. Veja!

“A pobreza imposta sobre as massas sempre fará com que elas sofram; os indivíduos sempre podem, por sua vez, escolher renunciar a bens materiais para acelerar seu desenvolvimento espiritual. De maneira semelhante, buscar a riqueza pela riqueza é uma receita para o sofrimento, ao passo que fazer uso sensato e compassivo do dinheiro é uma forma poderosa de fazer o bem no mundo.”

Se você tiver prestado bastante atenção nas palavras do Marinoff, perceberá que primeiro ele falou sobre os EXTREMOS, o materialista e o espiritualista, ambos levam ao sofrimento, porém o extremo espiritual quando bem refletido e buscado o equilíbrio, pode nos levar à elevação, ou seja, pode nos levar a utilizar nossos bens materias para o bem no mundo, o bem das pessoas.

É nisso que acredito. Dinheiro é muito importante SIM. Dinheiro é algo fundamental sem o qual não se pode viver de forma equilibrada em nossa sociedade, pois tudo gira em torno dele. Portanto, quando você adquire essa consciência, passa a viver de uma forma mais feliz e tendo um propósito bem mais elevado, pois como diria o mestre Dalai Lama.

“Encontramos nossa própria felicidade quando promovemos a felicidade das outras pessoas.”

Isso é a COMPAIXÃO, é você buscar sanar o sofrimento das outras pessoas. Essa é uma fonte de felicidade.

Agora retorno ao início desse texto, vemos o mundo como somos. Para desenvolver a compaixão e outros sentimentos nobres, é preciso buscar o conhecimento. E em minha opinião, nada melhor do que buscar o conhecimento dos grandes mestres: Jesus, Buda, Confúcio, Lao Tzu, Rumi, Dalai Lama, Osho, Thich Nath Hanh, Eckhart Tolle etc.

Leia seus pensamentos e suas obras e em pouco tempo perceberá o quanto a sua visão vai se expandir e como sua interioridade se tornará mais luminosa.

Nesse momento você vai entender com profundidade o significado desta linda frase:

“Nós não vemos as coisas como elas são, mas como nós somos.”

Seja amor e busque esse amor universal, que transforma nossa vida e transforma o mundo…

Imagem de capa:rdonar/shutterstock

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Isaias Costa
Bacharel em Física. Mestre em Engenharia Mecânica e Psicanalista clínico. Trabalha como professor de Física e Matemática, mas não deixa de alimentar o seu lado das Humanas estudando a mente humana e seus mistérios, ouvindo seus pacientes e compartilhando conhecimentos em seu blog "Para além do agora", no qual escreve desde 2012.

COMENTÁRIOS