“Ninguém é Insubstituível”

– Você concorda?

Conheço a frase do título deste texto há muito tempo. Mas, também há tempo me questiono, ou melhor, discordo dela.- Me desculpe a fonte de sua autoria.

Existem pessoas que para mim são insubstituíveis.
Ninguém jamais ocupará o lugar delas em meu coração, na minha vida diária – afetiva e efetivamente.

Mãe, por exemplo, é e será sempre insubstituível para mim e acredito para cada um de nós, assim como um bom pai; filhos…
E o que dizer daquele ou daquela amiga, que entre vários, é o que nos entende perfeitamente, aceita nossos defeitos, nos dá “aquela força” para continuarmos a luta diária desta vida louca?
Num momento muito dolorido, sua presença amiga, seu abraço, mesmo silencioso, nos dá um conforto que nenhum outro daria. E aquele artista – da música, das composições perfeitas, da teledramaturgia; aquele escritor ou escritora, que ao ler seus livros, parece-nos que escreveu para nós; ou então, ao ler seus escritos, nos sentimos em paz conosco, com Deus e com o mundo? Entre vários livros em sua, em minha estante ou biblioteca, lá está ele: o preferido!

Já sentiu saudades daquele comediante que após um dia cansativo, depois do banho e do jantar, somente ele conseguia arrancar de você aquela gargalhada gostosa – que desobstrui o fígado?

Sabe o que acabei de pensar:
– uma mãe tem 4 ou 7 filhos. Cada um com suas diferenças, com temperamentos próprios…para aquela mãe, nenhum filho irá substituir o outro.

Claro, vamos nos amoldando aos novos, aos que ficam… “a gente se acostuma com tudo”, quando necessário.

Mas, os INSUBSTITUÍVEIS … Ah! Esses estarão conosco, agora e em nossas lembranças enquanto vivermos.

Assim, dizem que “Ninguém é Insubstituível” ,
Mas para mim, vários nunca serão!

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Lu Prado
Natural de Vitória (ES), não se considera uma escritora nem poetisa, no sentido técnico dessas artes. Escreve porque nasceu com esse dom: - o de escrever (à sua maneira) o cotidiano. Aposentada do Serviço Público Estadual - Área da Educação. Segundo ela, "escreve para acalmar seu coração"