Ninguém é 100% bom ou 100% mau

O ser humano tem essa tendência de achar que ou uma coisa é 100% isso ou 100% aquilo, não é bem assim.

Hoje eu quero fazer uma breve reflexão sobre as perspectivas que temos sobre as pessoas, a partir de algumas palavras do mestre Dalai Lama, extraídas de seu livro “A arte da felicidade”.

“Nós precisamos dedicar algum tempo a procurar com seriedade por um ângulo diferente para encarar uma situação. Não apenas de forma superficial. Mas de modo aguçado e seguro. Precisamos recorrer a todo nosso poder de raciocínio e examinar a situação com a maior objetividade possível. Por exemplo, poderíamos refletir sobre o fato de que quando estamos realmente irados com alguém temos a tendência a perceber essa pessoa como alguém com 100% de qualidades negativas. Exatamente da mesma forma que, quando somos atraídos por alguém, nos inclinamos a considerar que essa pessoa tem 100% de qualidades positivas.

No entanto, essa percepção não corresponde à realidade. Se nosso amigo, que consideramos tão maravilhoso, nos fizesse um mal intencional de algum modo, de repente nós perceberíamos com nitidez que ele não era de fato composto exclusivamente de qualidades positivas. Dessa mesma forma, se nosso inimigo, aquele que odiamos, vier a nos implorar perdão com sinceridade e continuar a nos demonstrar benevolência, é improvável que continuemos a encará-lo como totalmente mau.

Portanto, mesmo quando estamos com raiva de alguém que imaginamos não ter absolutamente nenhuma qualidade positiva, a realidade é que ninguém é inteiramente mau. Se procurarmos com bastante afinco, descobriremos que esta pessoa deve ter algumas boas qualidades. Logo, a tendência de considerar que alguém é totalmente negativo tem origem na própria projeção mental, em vez de derivar da verdadeira natureza do indivíduo”.

*********

Estas são palavras simples para falar de algo extremamente profundo, as PERSPECTIVAS. O ser humano tem essa tendência de achar que ou uma coisa é 100% isso ou 100% aquilo, não é bem assim. Nós não podemos dizer que alguém não tem qualidades ou só tem defeitos. Esse pensamento superficial leva a muito sofrimento para a maior parte das pessoas. Tem uma coisa que já falei algumas vezes em textos anteriores e que vale repetir, trata-se das EXPECTATIVAS. Nós não devemos criar expectativas com relação às pessoas, porque muito provavelmente elas irão nos decepcionar, e quando alguém nos decepciona temos essa tendência natural de achar que essa pessoa é um mar de defeitos e erros. Calma! Por que pensar assim? Eu acho isso uma tremenda hipocrisia, por um motivo muito simples, quando pensamos que os outros são mares de erros deixamos de olhar para nós mesmos. Você pensa que é perfeito? Que não erra? Que também não tem milhares de defeitos? Isso é horrível meus amigos! Eu estou tratando da questão do JULGAMENTO lá na sua raiz. Não julgue ninguém! A única pessoa que você tem o direito de julgar é a você mesmo, e esse julgamento é o que pode fazer de você alguém melhor.

Eu adoro uma frase de uma linda música do Renato Russo que diz: “Todos se afastam quando o mundo está errado. Quando o que temos é um catálogo de erros. Quando precisamos de carinho, força e cuidado”. Esta frase é bem triste, mas muito real. O Renato compôs essa música quando estava no ápice da depressão, e o que ele transmitiu nela é exatamente o que muitos passam e quase sempre sofrem calados. É mais uma vez a questão do julgamento.

O Renato sofreu muitos julgamentos pelo fato de ser homossexual, de ser HIV+ e de ser extremamente sensível e emotivo. Muitos se afastavam dele por causa disso, sendo que seu coração era muito bondoso e amoroso. Veja só! Renato Russo é um ótimo exemplo, ele não era 100% bom, mas estava longe de ser 100% ruim, e ele só não foi ainda melhor do que foi porque se AUTOSSABOTAVA, hipervalorizando seus sofrimentos e sentimentos de rejeição, abandono etc. Muitas vezes ele se diminuía, como se seu sofrimento fosse maior que o das outras pessoas. Essas e outras o levaram a ter graves crises de depressão, até ter como desfecho a morte prematura. Eu tenho muita admiração por ele. Com certeza foi um dos maiores compositores que esse país já teve e um grande intelectual também…

Quero concluir falando dos relacionamentos amorosos. É impressionante a questão do AMOR e ÓDIO. Muitos relacionamentos começam com o rapaz achando a moça uma princesa encantada e vice-versa, e depois de certo tempo, quando esse encantamento, que é a paixão, acaba, começam brigas e mais brigas que muitas vezes terminam com o rompimento do namoro. O que quero dizer é que muitas vezes esses relacionamentos foram muito bons e satisfatórios enquanto duraram, mas a pessoa só se prende às situações que levaram ao rompimento, sem lembrar que durante o relacionamento ela foi feliz e realizada, esquece que mudou muitas coisas, que aprendeu a ser melhor, que a outra pessoa agregou valores positivos etc.

É aqui que vem a questão do ódio. Muitos casais terminam relacionamentos se odiando, alguns chegam até a dizer coisas do tipo: “Eu prefiro ver o cão na minha frente a ver fulano(a) de tal…”. Mas espere! Essa pessoa é tão odiosa assim? E todo aquele tempo que vocês passaram juntos? Não serviu de nada? Durante 6 meses, 1 ano, 2, 3, 4 anos essa pessoa era um anjo e de repente, num piscar de olhos, se transformou em um monstro? Pois é. O grande Dalai Lama também está falando sobre isso nessa pequena passagem. O nome disso é PERSPECTIVA. Se você olhar as pessoas sob a perspectiva de que elas têm muitas qualidades, você passará a viver de forma muito mais plena e feliz.

Enfim. Vamos colocar em prática na vida essa grande verdade: “Ninguém é 100% bom ou 100% mau…”. Pense sobre isso…

Imagem de capa: YuriyZhuravov/shutterstock

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Isaias Costa
Bacharel em Física. Mestre em Engenharia Mecânica e Psicanalista clínico. Trabalha como professor de Física e Matemática, mas não deixa de alimentar o seu lado das Humanas estudando a mente humana e seus mistérios, ouvindo seus pacientes e compartilhando conhecimentos em seu blog "Para além do agora", no qual escreve desde 2012.