No primeiro trimestre de 2022, a Netflix perdeu 200 mil assinantes; isso não acontecia há dez anos. Em janeiro, a plataforma divulgou que fechou 2021 com 221,84 milhões de assinantes, mas, de acordo com informações divulgadas pela Variety, esse número caiu para 221,64 milhões ao longo dos últimos três meses.

A queda no número de assinantes não deve parar por aí, afinal a própria Netflix já projeta perder mais 2 milhões de assinaturas neste segundo trimestre do ano. A gigante do streaming não contabilizou as perdas de assinaturas na Rússia, porque foi o streaming quem encerrou seus serviços no país depois da invasão russa à Ucrânia.

Como reflexo da perda de assinantes, as ações da Netflix despencaram, marcando seu índice mais baixo desde 2018. Nesta quarta-feira, 20, o valor está 27% abaixo do preço fechado anteriormente e, considerando os últimos seis meses, as ações da empresa perderam mais de 60% do seu valor.

Reed Hastings, CEO da empresa, argumentou que essa queda no número de assinantes se deve à “grande concorrência”, pois o número de plataformas de streaming no mercado não para de crescer, e a estimativa de que mais de 100 milhões de lares usam o serviço com senha compartilhada, ou seja, pagando apenas uma única assinatura.

Umas das estratégias da empresa para reverter esse quadro é lançar um novo plano de assinatura. A modalidade será mais barata que as ofertas atuais, que partem de R$ 25,90 no Brasil, porém com a inclusão de anúncios.

***
Redação Conti Outra, com informações de Jovem Pan.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.